InternetData CenterAssinante

Prefeito de Criciúma sobre aulas presenciais: 'quem não voltar, vai reprovar de ano'

Mais de 80% dos estudantes de Criciúma já estão de volta às escolas
Prefeito de Criciúma sobre aulas presenciais: 'quem não voltar, vai reprovar de ano'
Foto: Rafaela Custódio / Arquivo Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 21/06/2021 às 13:28

O prefeito de Criciúma Clésio Salvaro voltou a falar, na manhã desta segunda-feira, dia 21, sobre o retorno dos alunos às 65 escolas municipais. Recentemente, a Secretaria de Educação informou que mais de 15,6 mil estudantes estão assistindo às aulas presencialmente. O chefe do Poder Executivo criciumense ressaltou que os alunos que não retornarem para as salas de aulas reprovarão ao final do ano. 

"Nós sempre fomos contrários a suspender as aulas presenciais. Reconheço o esforço da equipe da Secretaria de Educação de buscar outros meios como plataformas digitais e apostilas. Mas, o aluno faz de conta que aprende e o professor faz de conta que ensina", declarou em entrevista ao jornalista João Paulo Messer, da Rádio Eldorado. 

Salvaro ainda ressaltou que Criciúma foi a primeira cidade de Santa Catarina a tomar esta decisão. "Ou o aluno volta para a sala de aula ou terá a falta contabilizada. O estudante que não voltar para as salas, vai reprovar por faltas", afirmou. O prefeito garantiu que todos os trabalhadores da educação estão vacinados. "É só essa cambada de vadios do Sindicato dos Servidores Públicos [Siserp] que ficam fazendo campanha para os alunos não voltarem para as escolas. Em Criciúma, não tem 'chupadinha', quem não voltar, vai rodar de ano", completou. 

Mais de 80% dos estudantes de Criciúma já estão de volta às salas de aula

O Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina encaminhou aos municípios uma nota técnica e divulgou uma cartilha de orientação "Todos na Escola: Ações para promover a (re)inserção e a permanência de crianças e adolescentes no ambiente escolar". Salvaro falou sobre o documento. 

"O Tribunal de Contas está muito preocupado com isso. O Ministério Público precisa entrar nesta causa, assim como o Tribunal de Justiça. Nós estamos vivendo uma vergonha internacional", finalizou. A reportagem do Portal Engeplus entrou em contato com a presidente do Sindicato, Jucélia Vargas, mas não obteve retorno até o momento.

Leia mais sobre: