InternetData CenterAssinante

Prefeita Saionara se defende das investigações do MPSC e afirma: 'nunca deixei minhas obrigações'

Ministério Público investiga incompatibilidade em atividades no Detran e Prefeitura
Prefeita Saionara se defende das investigações do MPSC e afirma: 'nunca deixei minhas obrigações'
Foto: Bruno Leodato/Colaboração/Rádio Cruz de Malta
Por Rafaela Custódio Em 03/05/2021 às 08:22

A prefeita de Lauro Müller, Saionara Bora (MDB), se pronunciou pela primeira vez após o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) estar investigando uma possível incompatibilidade de funções. O objetivo da ação é apurar a legalidade de ela estar também atendendo como médica credenciada ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran) na cidade de Urussanga. Além disso, o MPSC deflagrou ainda duas Ações Civis Públicas por supostas fraudes em dois processos licitatórios para contratação de serviços especializados de advocacia.

Saionara se defendeu das acusações e explicou sobre os casos. "Sou médica, tenho consultório particular em Urussanga.  Sou médica credenciada ao Detran há oito anos, não sou funcionária pública do Detran e não recebo salário do órgão. O MInistério Público fez uma solicitação via ofício e foi explicado. Nunca deixei minhas obrigações de lado e estou sempre na Prefeitura", afirmou em entrevista ao jornalista Eduardo Madeira, da Rádio Cruz de Malta. 

A prefeita de Lauro Müller ainda destacou que em diversos dias, desde que assumiu o Paço Municipal, trabalha após seu horário de expediente, que é das 8 às 17 horas. "Saio muitas vezes da Prefeitura às 20 horas. Existe um horário para o prefeito? O chefe do Poder Executivo tem que cumprir suas obrigações e eu cumpro. Sabemos que temos prefeitos anteriores que não cumpriam seus horários", desabafou. "Meu horário no Detran é das 14h30 às 16h30 e são todos os dias. Fui vários dias para Florianópolis e isso prova que nunca deixei minhas obrigações", acrescentou. 

A chefe do Poder Executivo ainda falou sobre as Ações Civis Públicas. "Nós temos uma procuradora, que tem um monte de lei para fazer e às vezes ela fica respondendo questionamentos infindáveis. Não temos a gerência da Fundação Henrique Lage. Em nenhum momento indiquei o nome do meu filho. Se a unidade hospitalar viu que o melhor preço era do meu filho, o que tenho a dizer? Não mando em nada na Fundação. Não assino nada", explicou.  

Saionara ressaltou que preza pela honestidade. "Quando entramos [na Prefeitura], avisei que as licitações deveriam ser dentro da legalidade e que nenhum brinde seria aceito. Não participamos das licitações, pois não é da nossa alçada. Esta parte fica com a procuradora", contou. "Tenho uma conta bancária que foi bloqueada e a justiça já desbloqueou, ou seja, isso já foi respondido. Se eu tinha um bloqueio, havia uma dúvida, em seguida foi desbloqueado e já está respondido. Não são bens, e sim, uma conta", finalizou. 

Na última semana, a procuradora jurídica da Prefeitura de Lauro Müller, Ana Melo, também se posicionou sobre as investigações. Clique aqui e confira a entrevista.