InternetData CenterAssinante

Quando chega o frio em Santa Catarina? Climatologista responde

Nesta semana, os termômetros registrarão temperaturas elevadas
Quando chega o frio em Santa Catarina? Climatologista responde
Foto: Thiago Hockmüller/Arquivo Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 01/04/2024 às 13:25

A chegada de um novo mês também traz a esperança do início do frio, já que nas últimas semanas o Sul de Santa Catarina registrou temperaturas elevadas. Em Criciúma, por exemplo, houve sensação térmica de 52°C no dia 20 de março

“As previsões das próximas quatro semanas não colocam nenhuma onda de frio persistente sobre Santa Catarina. Teremos passagens de frentes frias, com até três dias mais fresco, mas nada de frio intenso ainda nas projeções. Neste ano ainda não apareceu nos mapas o frio mais rigoroso”, explica o climatologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri/Urussanga), Márcio Sônego

Conforme Sônego, o que se sabe até o momento é que a temperatura do Oceano Pacífico na costa do Peru vai mudar de mais quente para mais frio, e isto é mudança de El Niño para La Niña. “A primavera costuma ter menos chuvas (épocas de plantio), os invernos costumam ter o frio habitual da estação, não necessariamente frio recorde. Mas, os modelos ainda não acusam o frio mais forte que pode chegar no inverno. Já aparecem nos mapas de previsão, chuvas a partir de julho, isto pode indicar um julho mais seco, com predomínio de noites de céu mais limpo, e consequente noite fria e tarde quente, acredito”, ressalta. 

A temperatura média dos meses de Outono são: março 23,3°C, abril 20,9°C e maio 17,2°C. “A temperatura cairá seis graus até maio, quando está acabando o Outono. Quanto à chuva, no Outono é boa. Temos, em média, 164 milímetros em março, 98 milímetros em abril e 127 em maio”, detalha. “O mês de abril chove um pouco menos. É um dos meses que menos chove no ano, e, consequentemente, é o mês também que pode ficar até duas semanas sem chover”, acrescenta. 

Para esse ano, o Outono está sendo influenciado pelo El Niño, que acaba só no mês de maio. “No mês de junho vira o botão para o La Niña. A gente acompanha aqui nas previsões que o La Niña vai influenciar mais no segundo semestre, especialmente no inverno, com temperaturas dentro da normalidade. Será um inverno, não digo que seja mais frio em relação à média histórica, mas um inverno mais frio que em 2023”, comenta. 

Leia mais sobre: