InternetData CenterAssinante

Secretário de Estado da Agricultura anuncia linha de credito ao produtor rural

Comunicado feito aos prefeitos visa ajudar produtores na estiagem
Secretário de Estado da Agricultura anuncia linha de credito ao produtor rural
Foto: Divulgação
Por Redação Em 07/05/2020 às 19:34

Os prefeitos da Amrec se reuniram nesta tarde de quinta-feira, dia 7, na sala virtual da Associação, com o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa. A pauta central da reunião será estiagem, consequências pela pouca frequência de chuvas dos últimos meses.

O secretário Ricardo Gouvêa anunciou aos prefeitos que a Secretaria de Estado abrirá uma linha de credito no valor de R$ 25 a 30 milhões para os produtores rurais, onde Estado bancará os juros. Os prefeitos ainda pediram recursos emergenciais para abertura de poços artesianos e para colaborara nas despesas com caminhão pipa. O Secretário solicitou tempo de estudo, e disse que é um ano eleitoral, o que dificulta o repasse de recursos aos municípios.

O presidente da Amrec e prefeito de Treviso, Jaimir Comim, avaliou a reunião como positiva, mas reforçou que os municípios necessitam de ajuda imediata. “Pedimos para que o secretário uma medida emergencial para que possamos levar a água ao produtor. Pedimos para que ele converse com o Governador. Estamos com um problema que vem afetando as pequenas propriedades, tanto para o consumo humano, quanto para a criação de gado leiteiro, de corte e os aviários e não temos previsão de melhor”, pontuou Jaimir, que lembra que na medida do possível, os municípios vão continuar, atendendo o produtor no que for necessário.

Situação nos municípios

Em alguns municípios já está acontecendo racionamento e a preocupação com o desabastecimento. É o caso do município de Cocal do Sul que decretou 'situação de Alerta'. Segundo o coordenador regional da Defesa Civil, Rosinei da Silveira, na região da Amrec, os municípios que “estão em situação mais crítica” são Orleans, Morro da Fumaça, Urussanga e Cocal do Sul. A explicação, conforme Rosinei, é que eles não recebem abastecimento da Barragem do Rio São Bento, o que coloca os moradores das áreas urbanas no risco de desabastecimento.

Colaboração: Antônio Rozeng