Veículos

Veículos

Indústria automotiva conhece oportunidades de exportação

Tendências globais devem ser observadas pelo setor para internacionalizar os negócios

10
DEZ
2017
| 13h25
13h25
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Veículos elétricos e híbridos, revolução digital, conectividade, indústria 4.0 (robotização, internet das coisas, inteligência artificial, impressora 3D) e o aumento das barreiras ao comércio são algumas das tendências globais do setor automotivo que desafiam a indústria do futuro. Os apontamentos estão em estudo que está sendo elaborado pela Apex-Brasil em parceria com o Sindipeças. Os dados foram apresentados a indústrias do segmento, na última sexta-feira, dia 8, na reunião da Câmara de Desenvolvimento da Indústria Automotiva, da FIESC, realizada em Florianópolis. 

De acordo com um dos autores do estudo, Aloísio Buoro, o trabalho mostra uma análise do mercado externo especialmente para compreender as necessidades de exportação e de que forma isso vai afetar a indústria automotiva daqui para frente. “A Ásia-Pacífico (China) se consolida como novo polo dinâmico da economia global. Estados Unidos e Europa perdem importância em relação aos demais mercados. E qual é o nosso olhar para estes outros mercados? Ainda temos um olhar estereotipado para estes mercados, muito superficial, sobre estas realidades”, alertou Buoro. “Isso impede a gente de entender estes mercados como oportunos e acredito que a indústria automobilística é a mais global”, acrescentou. Buoro apresentou ainda números relacionados à exportação de veículos, incluindo volume e principais destinos. 

O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, lembrou a diversidade da indústria catarinense, o que favorece atender as demandas do setor. Ele citou ainda o esforço do segmento para enfrentar o cenário econômico difícil que o Brasil atravessa nos últimos anos. “O setor também sentiu os efeitos dessa retração, mas houve grande esforço no sentido de evitar desligamento de trabalhadores e fechamento de unidades”, afirmou, lembrando que a FIESC realizou em 2017 encontros em todas as regiões do Estado para disseminar os conceitos da indústria 4.0, com a participação de aproximadamente 4 mil pessoas. “Também temos qualificado os nossos trabalhadores para se ajustar a esse novo mundo do trabalho em que a tecnologia provoca uma transformação muito rápida e profunda. Queremos estar alinhados com as necessidades do setor e caminhar juntos”, salientou.

 

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Doar esmola prejudica quem a recebe'É a primeira vez que assumo uma fria dessa', brinca Celito CardosoVÍDEO: Baixa Terapia comemora sucesso de vendas e anuncia sessão extraEmoção marca evento da Casa GuidoEstudantes do IFSC Criciúma se preparam para competição no CanadáEleições para a Câmara Mirim iniciam a todo vapor