navegue nos blocos da capa

Veículos

Test drive

Impressões em 60 minutos - Volkswagen Golf TSI 1.0

O Portal Engeplus andou com o hatch alemão nesta semana

13
MAR
2017
| 15h26
15h26
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Especial: Vinícius Alexandre R. Fabrício

Desta vez fui testar um dos queridinhos do mercado automobilístico brasileiro, o VW Golf, modelo que desembarcou no país pela primeira vez em 1995 e segue no mercado até hoje. Chego ao Pavilhão de Exposições para fazer a retirada do veículo para o teste e ele está lá, estacionado no meio de outros modelos da montadora, e não consegue passar despercebido. É bonito, sóbrio, fruto do clássico e inconfundível design automobilístico alemão.

O carro está “calçado” com um belo conjunto de rodas de liga leve e pneus Bridgestone 225/45/17, e do lado externo vale mencionar a discreta antena do tipo barbatana e o também discreto conjunto óptico que conta também com faróis de neblina. A curiosidade neste momento já está nas alturas. Será que o motorzinho 1.0 é capaz de proporcionar um desempenho aceitável para o carro? Estou com um pé atrás, afinal de contas é um Golf, não é um carro pequeno, penso eu.

Entro no carro e ele não é mesmo pequeno e segue o padrão dos modelos antigos, hatch médio, curto, contudo largo, o que confere ao modelo um generoso espaço interno. O acabamento interno segue o padrão da parte externa, sóbrio, típico das montadoras alemãs.

Destaque para o belo volante multifuncional de três pontos, com ajuste de altura e profundidade, revestido em couro e com a parte inferior achatada – um toque sutil de esportividade. Os instrumentos principais são analógicos e ao centro destes uma pequena tela digital onde são exibidas informações do computador de bordo e multimídia.

No meio está a central multimídia, onde além das previsíveis funções de som, telefone, GPS é possível acessar algumas informações relativas ao computador de bordo e uma função chamada Treino Trink Blue, que pelo meu entendimento tenta ensinar o condutor a obter a melhor performance relativa ao consumo de combustível. Ainda, escondido logo abaixo dos comandos do ar condicionado existe um porta objetos com entrada USB e no porta luvas, iluminado e refrigerado, entradas para cartões SD e CD/DVD.

O revestimento dos bancos e portas é de tecido, um pecado, pois certamente um conjunto de couro cairia muito bem.  São confortáveis, tanto os dianteiros quanto traseiros, e o espaço para as pernas nos traseiros é bom, mesmo com o banco dianteiro regulado para a minha altura (1,84). Ambos os dianteiros possuem boa sustentação lateral (abas), regulagem de altura e lombar o que pode fazer a diferença em longas jornadas.

O carro conta com retrovisor eletrocrômico (que automaticamente impede o ofuscamento) e no teto, um porta-óculos junto aos controles de iluminação interna e teto solar (elétrico).

Saio do pavilhão em direção ao centro da cidade e logo na primeira reta percebo que a força do motorzinho 1.0 vem cedo, logo aos 2 mil giros o motor está cheio e despejando todo o seu torque, fruto dos 3 cilindros e da sobrealimentação por turbocompressor - o grande segredo da tendência conhecida como “downsizing”, que busca a produção de motores menores, mais fortes e econômicos.


O carro conta com difusores traseiros para ar-condicionado. Conforto para os passageiros

Com esse torque aparecendo logo em baixa, o carro fica bem agradável de guiar em trecho urbano, não havendo qualquer necessidade de se “esticar” as marchas para poder acompanhar o fluxo normal. Assim, o pequeno motor turbo consegue sim dar conta da carroceria alargada do carro na cidade e ainda faz bonito quando exigido na estrada.

O motor gira fácil, e em conjunto com o bem escalonado câmbio manual de 6 velocidades faz com que o carro ganhe ou retome velocidade com grande desenvoltura, fazendo com o que o condutor se sinta seguro em situações de ultrapassagem. Em nada lembra um motor de 1000 cilindradas convencional pois o desempenho, eu arriscaria dizer, é equivalente ao de um motor 1.8 ou até mesmo 2.0.

Em velocidade de cruzeiro e em sexta marcha o carro é confortável e bem silencioso, mostrando um bom isolamento acústico, porém confesso que a parte mais divertida e prazerosa do teste foi feita com o teto solar e todas as janelas abertas, sentindo o ronco do motor e o barulho do vento.


O câmbio segue o padrão da montadora: alavanca curta, engates curtos e precisos

A carroceria e pneus largos e com perfil baixo, aliadas a um acerto germânico da suspensão (mais rígida – tendendo mais ao esportivo – diminuindo a rolagem lateral) fazem o carro grudar no asfalto nas curvas o que transmite uma sensação completa de segurança e uma condução prazerosa e divertida para quem gosta de uma tocada um pouco mais agressiva.

De nada adiantaria acelerar e fazer curvas bem, se não pudesse frear com segurança não é mesmo? E nesse ponto o hatch também se sai bem. Contando com todas aquelas siglas tecnológicas relacionadas a freios, tração e estabilidade o carro tem pouquíssima rolagem frontal (os freios a disco na traseira ajudam) e lateral, mesmo quando exigido ao máximo e em curva.

O veículo foi cedido gentilmente pela Concessionária Kolina Volkswagen Criciúma

Leia mais sobre: veiculos, test drive
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Mais torcida do Inter, mais dinheiro para o TigreNa última vez, Beto Campos foi campeão contra o InterBoas notícias para o futuro do RincãoSebrae abre as portas para novos negócios na feiraTurismo de eventos e negócios em pautaSicredi inaugura nova agência com horário de atendimento ampliado