Veículos

Testdrive

Impressões em 60 minutos - Toyota Prius

Portal Engeplus testou o hatch híbrido da marca japonesa

28
FEV
2017
| 09h35
09h35
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

ESPECIAL / Vinicius Alexandre R. Fabrício

Num primeiro momento e de longe ele até me deixou em dúvida - o Toyota Prius é um sedã? Chego mais perto e logo percebo que estou diante de um hatch (porta-malas integrado ao compartimento de passageiros – ou simplificando - porta-malas com vidro).

Também foi fácil notar que algo diferente me esperava. O design do carro é algo que eu classificaria entre o muito moderno e o moderníssimo, algo que poucas montadoras têm coragem de lançar no mercado nacional, pois creio que não há dúvidas de que a grande maioria dos consumidores brasileiros de veículos tem tendência ao clássico, e nisso eu me incluo.

Ainda falando de aparência, que confesso estranhei de início, notam-se as longas e às vezes agudas linhas que se explicam no fato de que o veículo foi concebido tendo como meta principal a otimização do consumo, e portanto, buscam a obtenção de um baixo coeficiente aerodinâmico. Ou seja, a habilidade de cortar o ar.

A chave é do tipo presencial e dá acesso a um amplo interior (que seria digno até para um sedã médio) com acabamento e linhas modernas. Nada tão excêntrico quanto o exterior, o que achei bem positivo, pois dá o devido contraste com o visual da parte de fora. O painel é centralizado e completamente digital.  Logo abaixo está o bonito console central que possui central multimídia com tela de 7 polegadas, com GPS, câmera de ré com linhas adaptativas, DVD player e TV digital. Completam ainda o console os comandos do ar-condicionado, que é dual zone e conta com sensores que direcionam automaticamente o fluxo de ar para os bancos ocupados.

Não fiz questão de testar por questões climáticas, mas o carro conta com bancos dianteiros com aquecimento. Todos em couro preto e de acabamento impecável, com apoio de braço dianteiro e traseiro (rebatível), regulagem elétrica de lombar para o motorista e sistema ISOFIX para cadeiras infantis. Também elétricos os retrovisores com função de rebatimento e o interno com antiofuscante.

A alavanca de câmbio foi a primeira surpresa. Ela lembra e é como se fosse um joystick. Aliás, a própria Toyota a chama assim, pois retorna à posição original assim que a escolha de marcha é feita (D, N, R, B), sendo que o B aciona uma espécie de freio-motor (que além de segurar o carro, ajuda a carregar a bateria mais rápido) e o P é acionado por um botão separado ao lado esquerdo da alavanca, e do outro lado estão os botões que selecionam os modos de condução. Além das esperadas entradas auxiliares e tomadas de energia, a segunda surpresa ficou a cargo da existência de um carregador de celular wireless (sem-fio) – uma pena que meu aparelho não era compatível.

A cereja do bolo da parte interna – Sistema de áudio JBL!

Aperto o botão para a partida e tudo parece como antes - silêncio absoluto. Não ligou, penso eu, e vou conferir se não fiz nenhum procedimento errado. Verifico que de fato há um erro, mas é de pensar que o carro por ser híbrido (elétrico-combustão) assim funcionará o tempo todo.  

O carro já está ligado e fazendo uso apenas do motor elétrico, sendo que o motor a combustão, um 1.8 16v, é acionado apenas acima dos 40km/h, em situação de alta aceleração ou quando o sistema detecta que a bateria está ficando com um nível baixo de carga. Ainda estacionado, sinto que o motor a combustão entrou em funcionamento e no painel vejo a informação de que a bateria está sendo carregada, o que vale dizer, não demora mais que alguns poucos minutos. Assim, com o carro apenas no motor elétrico, começa a minha primeira experiência com um carro híbrido.

Doso o acelerador para que apenas o motor elétrico empurre o carro até os 40km/h e isso lentamente acontece no mais absoluto silêncio. Passada a velocidade limite é possível sentir o ronco do motor que acabou de entrar na brincadeira. Digo isso, pois para quem torcia o nariz ao ouvir falar em carro elétrico ou híbrido, o carro me surpreendeu ao ser extremamente divertido e gostoso de dirigir.

Não espere o desempenho de um esportivo, mas também nada de fraqueza. Apesar do câmbio automático ser do tipo CVT (contínuo ao invés de possuir diversas velocidades – e talvez possa ser esse o segredo), o conjunto feito com os dois motores entrega potência e torque suficientes para um rodar prazeroso, mesmo que o modo de condução esteja configurado no modo de economia e também muito silencioso, ainda que no modo Power (equivalente ao Sport). Há ainda um modo normal e o modo EV (Eletric Vehicle), que deve ser usado apenas para pequenas manobras.

Para parar e se manter na pista, o carro possui freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, controle de estabilidade e de tração que funcionam bem, mas pude verificar que o pedal do freio trepida bastante quando em frenagem de emergência (normal dos freios ABS, contudo menos perceptível nos sistemas mais modernos) e um pouco de rolagem da carroceria, tanto frontal quanto lateral, o que talvez seja culpa do acerto da suspensão visando conforto e também do perfil um pouco alto dos pneus (195/65/R15). O pacote de segurança tem ainda generosos 7 airbags, duplo frontal, duplo lateral, cortinas e o grande destaque, airbag para o joelho do motorista.

 

Faróis e lanternas são todos em LED que facilitam o ver e o ser visto e para que o motorista não tire os olhos da pista e desvie a atenção para o painel central, há uma projeção 3D no para-brisas trazendo as informações básicas necessárias, destacando ainda o assistente para partida em rampas.  

Para finalizar e talvez matar a curiosidade de muitos, o carro apesar de ter motor elétrico não precisa nunca de tomada para carregar a bateria, pois esta é carregada pelo motor à combustão  e  também  por  meio  de  frenagem  regenerativa  utilizando  e  transformando  energia cinética em elétrica (genial!), sendo que todo o sistema possui garantia de 8 anos.  

O veículo foi cedido gentilmente pela Concessionária Mercosul Toyota Criciúma

Leia mais

Impressões em 60 minutos - Hyundai Creta Prestige – 2017

Impressões em 60 minutos - Peugeot 208 Griffe 2017

Leia mais sobre: veiculos, test drive
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Atrações especiais marcam aniversário de oito anos da Feira LivreExperiência de Oração será realizado neste fim de semanaMobilidade urbana norteia debate do Cultura AcicGestantes recebem orientações sobre gravidez e cuidados com os bebêsSuspeitos de cometerem homicídio são presosUnesc comemora 50 anos em evento com a participação da comunidade