InternetData CenterAssinante

Chuva abre buraco em cabeceira de ponte em Orleans; Defesa Civil pede atenção aos motoristas

Equipes de segurança também monitoram possibilidade de temporais no Litoral Sul
Chuva abre buraco em cabeceira de ponte em Orleans; Defesa Civil pede atenção aos motoristas
Foto: Divulgação/Defesa Civil
Por Lucas Renan Domingos Em 24/01/2021 às 16:19

A Defesa Civil pede atenção aos motoristas que transitam pela SC-390 entre as cidades de Orleans e Pedras Grandes, mais especificamente na região de Pindotiba. As chuvas deste domingo, dia 24, procovocaram uma erosão na cabeceira da ponte sobre o Rio Tubarão, abrindo um buraco na pista. 

Conforme o coordenador regional da Defesa Civil, Rosinei da Silveira, as equipes da Defesa Civil do município isolaram a área e estão monitorando o trecho. O tráfego de veículos ainda é permitido. "O que pedimos é muito cuidado. A coordenação da Secretaria de Estado da Infraestrutura deverá recuperar o trecho amanhã (segunda-feira, dia 25)", comentou Silveira. "Caso haja chuva mais intensa e o risco elevar, nossa orientação é interditar o tráfego na ponte para salvar vidas", acrescentou. 

Atenção com as chuvas

As equipes da Defesa Civil e Corpo de Bombeiros também monitoram a situação das chuvas na região. Neste domingo, o Estado de Santa Catarina voltou a ser castigado por um grande volume de chuva. A região mais atingida foi a Grande Florianópolis, onde já foram registradas três ocorrências de deslizamento. Em um dos casos, houve vítimas de soterramento. 

Segundo a Defesa Civil há previsão de temporais com raios, rajadas de vento e alagamentos não só na Grande Florianópolis, mas também no Litoral Sul Catarinense. Em caso de ocorrências, a população deve ligar para o 199 (Defesa Civil) ou 193 (Corpo de Bombeiros). 

"Estamos atentos principalmente com a situação nas áreas de encostas. O solo está nuito úmido, causando instabilidade, e mais chuvas podem ocasionar deslizamentos. As áres baixas próximas de rios, também preocupam, por conta da possibilidade de inundações", acrescentou Silveira.