InternetData CenterAssinante

Transexual é esfaqueada e tem carro roubado em Içara; Polícia Civil investiga o caso

Tentativa de homicídio aconteceu na madrugada do último sábado
Transexual é esfaqueada e tem carro roubado em Içara; Polícia Civil investiga o caso
Foto: Rafaela Custódio/Ilustrativa
Por Rafaela Custódio Em 19/10/2020 às 12:09

Uma transexual de 28 anos foi esfaqueada por dois homens no último sábado, dia 17, em Içara, por volta das 6 horas. A vítima recebeu cerca de 30 facadas e foi atendida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada em estado grave para o Hospital São Donato (HSD). 

Natural de Uberlândia (MG), Rebeka Rodrigues mora em Criciúma há sete anos e relata que não é a primeira vez que é agredida na região Sul de Santa Catarina. “Além de receber 30 facadas, ainda roubaram meu veículo, mas me informaram que abandonaram o automóvel, entretanto ainda não consegui recuperar o carro, pois estava hospitalizada”, contou em entrevista ao Portal Engeplus. 

Segundo Rebeka, ela conhece um dos homens e registrou um Boletim de Ocorrência. “Após as agressões, consegui sair do veículo e pedir ajuda em um sítio. No local, acionaram o Corpo de Bombeiros e os militares foram rápidos e me encaminharam ao hospital, onde recebi um bom atendimento", relatou. “Tive meu cabelo raspado e quase fiquei cega, pois uma das facadas acertou o lado do meu olho. Estou com meu rosto todo deformado”, acrescentou. 

Rebeka explicou que um dos homens estava devendo para ela. “Era um dívida de R$ 1,4 mil. Nunca imaginei passar por isso, pois eu conhecia a pessoa há anos. No começo deste ano também fui agredida em Criciúma, mas a polícia conseguiu solucionar o caso e espero que isso aconteça novamente”, comentou. 

Polícia Civil investiga o caso 

De acordo com o delegado Rafael Iasco, a Polícia Civil já iniciou as investigações sobre o caso. “As primeiras informações foram coletadas no dia do crime e foi instaurado em inquérito policial para identificar os autores do crime. Neste momento, estamos tratando como uma tentativa de homicídio, mas tudo pode mudar ao longo das investigações”, explicou. 

Protesto 

Rebeka afirmou que ainda nesta semana acontecerá um protesto em Criciúma, pois não é o primeiro caso de uma pessoa transexual agredida na região Sul de Santa Catarina. “Ainda não temos uma data ao certo, porém vai acontecer nos próximos dias em frente ao Fórum de Criciúma. Esses crimes não poderão passar impunes”, pontuou.