InternetData CenterAssinante

Operação Divisa II: dez pessoas presas e 18 armas apreendidas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Facção criminosa traficava drogas, armas, lavava dinheiro e falsificava notas de reais
Operação Divisa II: dez pessoas presas e 18 armas apreendidas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul
Foto: Divulgação/PMSC
Por Lucas Renan Domingos Em 25/09/2020 às 14:05

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) e a Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul (BMRS) deflagram na manhã desta sexta-feira, dia 25, a Operação Divisa II. A ação teve como objetivo o cumprimento 49 de mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão contra uma facção criminosa instalada na divisa entre os estados catarinenses e gaúchos, nas cidades de Passo de Torres e São João do Sul, em Santa Catarina, e em  Torres, Osório, Novo Hamburgo, Camaquã e Porto Alegre no Rio Grande do Sul. Além dos mandados de prisão, houve três prisões em flagrante.

Envolvendo mais de 350 policiais, a operação resultou na prisão de dez pessoas pelos crimes de tráfico de drogas, de armas, lavagem de dinheiro e produção de notas de reais falsificadas. Foram apreendidas ainda 18 armas, R$ 10 mil em notas falsificadas, R$ 35 mil em dinheiro em espécie, drogas, anabolizantes e seis veículos, sendo duas caminhonetes Mitsubishi, um Honda Civic, um HB 20, um I30 e uma motocicleta.

Somente no Estado de Santa Catarina, foram cumpridos prisões, sendo três decorrente de mandado de prisão e um flagrante delito, além de oito armas de fogo apreendidas, duas carabinas de pressão com aproximadamente 100 munições, drogas, R$ 3.950 em espécie, além de 31 telefones celulares, pen drives, camera fotográfica, talões de cheques, agendas e demais documentos ligados a facção criminosa. 


Guarnições atuaram simultaneamente na terra, no céu e na água - Vídeo: Digulação/PMSC

"Acreditamos que ações desta pperação permitirão a redução dos índices criminais relacionados  ao crime violento letal intencional, dos roubos, do tráfico de drogas e de vendas de armas ilegais. Possibilitará que a percepção das comunidade em geral de que a organização criminosa perdeu, objetivamente, parte de seu poder. Aumentamos a confiança da população na PMSC, BMRS, MPSC, MPRS, PJSC e PJSC, reduzir o medo do crime e da violência e da desordem. As ações de monitoramento e controle seguirão e diante das possibilidades das provas produzidas, reunidas nos materiais apreendidos, não temos dúvidas que teremos a Operação Divisa III", destacou o comandante da 6ª Região de Polícia Militar, coronel Evandro de Andrade Fraga.

As investigações foram da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, que trabalhou durante dez meses na busca por informações sobre os criminosos.Também participaram da operação o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), Batalhão de Choque, Batalhão de Aviação da Polícia Militar (BAPM), Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT), Polícia Ambiental e o Pelotão de Policiamento com Cães (K9).