InternetData CenterAssinante

Motoristas de aplicativo pedem mais segurança após assaltos registrados em Criciúma

Dois profissionais foram vítimas de criminosos na última sexta-feira e nesta segunda-feira
Motoristas de aplicativo pedem mais segurança após assaltos registrados em Criciúma
Foto: Lucas Renan Domingos/Portal Engeplus
Por Lucas Renan Domingos Em 17/02/2020 às 17:29

Motoristas de aplicativos estiveram reunidos na tarde desta segunda-feira, dia 17, em frente à Central de Plantão Policial (CPP) de Criciúma para pedir mais segurança. Nos últimos dias, dois assaltos contra motoristas de aplicativos foram registrados em Criciúma. Uma mulher suspeita de envolvimento nos crimes foi presa hoje pela Polícia Militar Rodoviária (PMRv).

O primeiro crime ocorreu na última sexta-feira, dia 14. Duas mulheres solicitaram uma viagem com partida do bairro Santo Antônio e Naspolini. Durante a viagem, armadas com facas, elas renderam o motorista próximo ao ponto de destino e fugiram com o veículo da vítima, um Nissan Versa, além de roubarem um celular, dinheiro e outros pertences do motorista. No mesmo dia a Polícia Militar (PM) conseguiu recuperar o automóvel e o celular da vítima, mas as suspeitas não foram localizadas.

Na manhã desta segunda-feira, dia 17, um caso similar aconteceu em Criciúma. O motorista Nei Lopes, de 45 anos, sofreu uma tentativa de assalto enquanto fazia corrida com partida do bairro Vila Zuleima e tendo como destino a cidade de Siderópolis. No trajeto, a passageira rendeu a vítima também com uma faca, mas acabou não conseguindo consumar o crime e foi presa. A polícia suspeita que ela também seja uma das mulheres que assaltaram o motorista de aplicativo na última sexta-feira.

Mais detalhes dos passageiros

Cerca de 15 motoristas foram até a CPP. Além de acompanhar o caso de Lopes, eles pediam, pensando na segurança dos profissionais, por mudanças nos aplicativos e na lei de proteção de dados na internet. “Para a gente se cadastrar no aplicativo como motorista, precisamos apresentar vários dados. Por outro lado, não temos nenhuma informação do cliente. A pessoa pode pedir solicitar um motorista até com nome fictício e isso nos deixa inseguros e em risco de sofrer assaltos como os que ocorreram com nossos colegas”, reclamou a também motorista de aplicativo, Sandra Macedo.

Rodrigo Uliano, que também trabalha em aplicativos, afirmou que, após os assaltos, vai selecionar melhor as viagens que irá aceitar. “Em bairros que sabemos que existe um perigo maior, eu estou negando clientes, principalmente no período noturno. Está realmente complicado. Não posso falar por todos, mas eu estou trabalhando com medo”, disse.

“Reivindicamos das plataformas um melhor selecionamento dos passageiros. E que aqueles que possuem nota baixa, que realmente sejam excluídos dos aplicativos. Não estamos trabalhando por diversão. Todos temos contas para pagar, somos pais de família. Dependemos disso para sobreviver”, acrescentou Uliano. A Polícia Civil segue investigando os casos na tentativa de encontrar demais suspeitos de cometerem crimes contra os motoristas.