InternetData CenterAssinante

Criminoso que matou policial efetuou três disparos contra guarnição antes de ser baleado e morrer

Homem entrou novamente em confronto com a PM na tarde desta quarta
Criminoso que matou policial efetuou três disparos contra guarnição antes de ser baleado e morrer
Foto: Thiago Hockmüller/Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 01/04/2020 às 19:21

A Polícia Militar (PM) capturou na tarde desta quarta-feira, dia 1º de abril, o homem que matou o cabo João Batista Figueira Ribeiro, de 41 anos, com dois disparos de arma de fogo e deixou mais um policial ferido na tarde de ontem em Criciúma. O criminoso novamente entrou em confronto com policiais, porém acabou morrendo. O fato aconteceu entre Balneário Torneiro e Balneário Esplanada. 

O homem foi identificado como Fabiano Dozol, de 29 anos, e na tarde de hoje ele efetuou três disparos de arma de fogo contra a guarnição antes de ser baleado e morrer. 

Em entrevista exclusiva ao Portal Engeplus, o comandante da guarnição do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) de Içara que enfrentou o criminoso, tenente-coronel Inácio, relata que populares acionaram a Polícia Militar e repassaram informações do fugitivo.

“A informação chegou por populares de que um homem sujo estava andando pela localidade e a nossa guarnição se deslocou até local e iniciou as buscas pelo criminoso. Em uma área de pouca movimentação e de mata, os policiais identificaram o homem andando, porém ele percebeu a presença da guarnição do Tático de Içara e entrou em um matagal. Nossa guarnição fez um cerco a pé e ele realizou alguns disparos contra os policiais que revidaram a justa agressão. O homem acabou alvejado e caiu próximo a estrada”, conta. 

Ainda segundo o tenente-coronel, havia quatro policiais militares na ocorrência.  “Ele realizou três disparos de arma de fogo contra os policiais. Não acertou nenhum, mas foi necessário revidar. Não sabemos quantos disparos acertaram ele. O Instituto Geral de Perícias (IGP) está fazendo o levantamento e não sabemos o número exato”, pontua. 

O comandante ainda analisa que a Polícia Militar precisava dar uma resposta para a sociedade e também para a família do policial morto. “Começamos uma força-tarefa ainda nessa terça-feira em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Civil. Tivemos uma operação muito grande para capturá-lo. Não queríamos matá-lo, nós queríamos realizar a prisão, mas foi inevitável o fato, pois ele efetuou disparos contra a guarnição”, comenta. 

“Ele reagiu a primeira abordagem na terça-feira e demonstrou que não queria colaborar com o trabalho policial e estava bem agressivo. Conseguimos uma resposta altura, infelizmente foi com a morte dele, mas foi em legítima defesa”, garante. 

Confira as imagens produzidas pela reportagem do Portal Engeplus no local da captura: