InternetData CenterAssinante

Jornalistas são detidos e equipamentos apreendidos pela PM no fim do jogo

Repórter narrou sua 'prisão' ao vivo na rádio
Jornalistas são detidos e equipamentos apreendidos pela PM no fim do jogo
Foto: Rafaela Custódio / Ilustrativa
Por Amanda Garcia Ludwig Em 19/11/2019 às 23:12 - Atualizado há 2 semanas

Dois jornalistas do Paraná foram detidos e tiveram os equipamentos apreendidos pela Polícia Militar (PM) durante o jogo entre Criciúma e Paraná. De acordo com o jornal Bem Paraná, o caso aconteceu nos minutos finais da partida, no estádio Heriberto Hülse.

Foram detidos o repórter da Transamérica, Jairo Silva Junior, e o assessor de imprensa do Paraná Clube, Irapitan Costa. Jairo narrou, inclusive, sua 'prisão' ao vivo enquanto estava no ar na rádio. Segundo o Bem Paraná, o jornalista estava relatando um abuso de poder cometido pela PM quando teve seu telefone apreendido. Confira o áudio abaixo:

Enquanto estava no ar, Jairo tentou conseguir explicações do que estava acontecendo, mas foi encaminhado a uma sala separada no estádio. A confusão teria começado com o diretor de futebol do Paraná Clube, e quanto Irapitan tentou interferir, foi detido. Os dois foram liberados pela PM por volta das 22 horas, mas os policiais continuaram com os telefones celulares dos dois profissionais. 

Às 23h42 a Polícia Militar (PM) se pronunciou sobre o assunto, através da seguinte nota, reproduzida na íntegra:

Durante a noite do dia 19.11.2019, no Estádio Heriberto Hülse, durante partida entre Criciúma X Paraná, um supervisor da CFB solicitou apoio da Policia Militar para auxiliar na retirada de um membro da comissão técnica do Paraná Clube que estaria em local proibido. Realizada a intervenção, o membro da comissão técnica negou-se a sair do local, mesmo após pedidos do supervisor CBF, tumultuando os trabalhos no local. Assim, contra ele foi confeccionado um Termo Circunstanciado.

Ainda na mesma ocorrência, um jornalista, mesmo ciente de que não poderia realizar filmagens no interior do Estádio, passou a realizar imagens, sendo este fato também apontado pelo supervisor da CBF como irregular.

Os celulares dos envolvidos foram apreendidos no Termo Circunstanciado, os quais servirão futuramente como meio de prova, por conta das imagens neles arquivadas.

Após lavrado o Termo Circunstanciado, os envolvidos foram liberados no local.