navegue nos blocos da capa

Segurança

Morro da Fumaça

Enterrada nesta manhã, amigos e familiares se despedem de Júlia Volp

Transexual foi encontrada morta em Florianópolis nessa segunda-feira

05
DEZ
2017
| 11h11
11h11
Débora Correa
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
arquivo engeplus

Familiares e amigos se despediram de Júlia Volp na manhã desta terça-feira. O enterro foi realizado por volta das 8h30, em Morro da Fumaça, cidade em que Júlia nasceu. O corpo da jovem foi encontrado na tarde dessa segunda-feira, dia 4, em Florianópolis. Ela estava desaparecida desde a última quinta-feira.

O velório foi realizado com caixão fechado, já que o corpo já foi encontrado em avançado estado de decomposição. A Polícia Civil acredita que a jovem tenha sido morta na quinta ou sexta-feira. O Instituto Médico Legal (IML) de Florianópolis identificou ferimentos de arma branca (faca) pelo corpo. 

Júlia era transexual e, segundo a Polícia Civil, viajou para Florianópolis para trabalhar. A jovem buscava juntar dinheiro para viajar para a Itália e guardava cerca de 700 euros na bolsa. Ela havia sido deportada pelo governo italiano há alguns meses. O objetivo de trabalhar na ilha era recuperar esse dinheiro e voltar para a Europa.

Esclarecimentos

A família de Júlia deve ir à Florianópolis até o fim da semana para recolher os pertences da jovem e se inteirar das investigações. A Delegacia de Homicídios da capital é a responsável pelo caso.

UNA LGBT emite nota de Pesar

A União Nacional LGBT de Criciúma emitiu uma nota de pesar sobre a morte da jovem e levantou o debate sobre as estatísticas do país. Segundo a nota, em 2016 o índice de assassinatos contra pessoas LGBT bateu recorde de 347 mortes no país.

A psicóloga especialista em gênero nas escolas e integrante do Programa Diversidades, Inclusão e Direitos Humanos (DIDH) da Unesc, Rita Guimarães, ressalta a importância de falar sobre o assunto. “Eu honestamente não vejo outra saída que não pela educação. É falando sobre a diversidade, sobre direitos humanos, sobre cultura de paz que a gente cria pessoas melhores para esse mundo”, ressalta. “Hoje estamos de luto e estamos com muito medo também. Mas não estamos sós. Pela Julia e por tantas outras Julias que estão por aí, resistiremos”.

Confira na íntegra a nota de pesar:

A União Nacional LGBT de Criciúma manifesta seu mais profundo pesar pela precoce perda da jovem Julia Volp, que foi encontrada morta hoje em Florianópolis.
Julia tinha 20 anos e era uma jovem criciumense cheia de sonhos e um futuro incrível pela frente. Representou brilhantemente nossa cidade em um concurso de beleza trans, o Miss T Brasil e levava no rosto um sorriso que sempre nos encorajava a seguir firmes na luta contra todas as formas de opressão.
Infelizmente vivemos no país que mais mata Transexuais e Travestis no mundo. Em 2016, o índice de assassinatos contra pessoas LGBT bateu recorde com 347 mortes e atualmente a estimativa é de uma morte a cada 25h por crime de ódio.
Precisamos dar um basta nesta violência desenfreada. Clamamos por justiça.

Leia mais sobre: morte, homicídio, transexual
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Motoboys realizam homenagem a motociclista que morreu em acidente“Mãos unidas” em horário especial de NatalEscola Sem Partido é aprovada em meio a protesto Lançamento da 10ª Vindima Goethe é nesta terça-feiraIncêndio destrói casa de 90 m²Criciúma unida pela magia do Natal