InternetData CenterAssinante

Fisioterapia na linha de frente do combate à pandemia

Profissional da área é indispensável nas Unidades de Tratamento Intensivo
Fisioterapia na linha de frente do combate à pandemia
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 06/07/2020 às 10:25

Os profissionais de saúde têm papel fundamental no enfrentamento à pandemia de Covid-19. Compondo as equipes multiprofissionais atuantes em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) que recebem os pacientes contaminados pelo vírus, está o fisioterapeuta, que atua tanto no início do tratamento quanto na recuperação das pessoas infectadas. Hospitais que atendem muitos municípios chegam a ter metade do número de fisioterapeutas atuando na UTI.

A fisioterapia atua em diversas áreas, dentre as quais se destacam a motora e respiratória. Geralmente a primeira é a mais conhecida, mas no cotidiano da saúde pública, a respiratória também tem grande importância, e, especialmente no momento atual de uma doença que ataca o sistema respiratório, vem ganhando mais destaque. O fisioterapeuta, por exemplo, é um dos profissionais da equipe que avalia o padrão ventilatório do paciente, se ele está respirando com esforço, se precisa de suporte ventilatório maior, seja a ventilação não invasiva (entubação orotraqueal, por exemplo) ou a mecânica invasiva (quando o equipamento é conectado ao paciente por meio de tubo endotraqueal ou traqueostomia).

Atualmente, a equipe do Hospital São José, de Criciúma, conta com cerca de 20 profissionais de Fisioterapia, todos egressos da Unesc. Segundo a coordenadora do curso, Ariete Minetto, no local, os profissionais se dividem em um grupo que atua com fisioterapia musculoesquelética e outro, que atua na área cardiorrespiratória. “Com a Covid-19, as pessoas passaram a conhecer melhor a atuação do fisioterapeuta na linha de frente, mas o profissional sempre esteve envolvido com os cuidados na UTI de pacientes críticos, como por exemplo, os que tiveram AVC ou trauma cranioencefálico, e que precisam passar pela ventilação mecânica ou não”, comenta.

Inclusive, a fisioterapia cardiorrespiratória é enfatizada na formação de novos profissionais pela Unesc. O curso, com 22 anos de experiência, possui um laboratório na área, localizado nas Clínicas Integradas da Universidade, onde os acadêmicos estudam sobre doenças respiratórias como bronquite e asma e demais problemas no sistema respiratório. 

Um novo olhar para a profissão no pós-pandemia

Segundo Ariete, com a pandemia, o mercado passou a olhar de uma maneira diferente para a Fisioterapia, e há forte tendência de um aumento da valorização profissional.  O mercado de trabalho para o fisioterapeuta é bastante amplo, mas embalado pelo momento atual, as perspectivas são de a área de terapia intensiva seja a de maior expansão.

Para preparar o futuro profissional, o curso de Fisioterapia da Unesc oferece a primeira disciplina de estágio, na quinta fase, já no Hospital Materno-Infantil Santa Catarina, em Criciúma. Já na nona e na décima fase, os estudantes fazem estágio nas UTIs dos hospitais São Donato, em Içara e São José, em Criciúma.

A Covid-19 trouxe não só uma maior visibilidade ao trabalho da Fisioterapia, mas colaborou com a mudança de sua abordagem. Em função da pandemia, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito), permitiu a implementação da tele fisioterapia, possibilitando assim que pacientes do grupo de risco como os idosos não deixassem de ser assistidos.

“A pandemia trouxe para todos um jeito diferente de olhar o mundo e isso se deu também na Fisioterapia. A relação profissional e paciente sempre foi próxima e com o isolamento social, isso se rompeu de forma presencial, mas pode continuar de outra maneira. Especialmente aqueles pacientes que ainda não podem voltar às atividades, se sentem acolhidos com as ligações que fazemos, com o diálogo que temos pelo telefone e com os exercícios que orientamos. Isso influencia positivamente no tratamento e faz o fisioterapeuta perceber que pode sim continuar fazendo a diferença na vida das pessoas, mesmo que não seja de modo presencial”.

Matrículas abertas

O mundo está mudando, o que não muda é a força do conhecimento. Mais do que nunca, ter formação de excelência faz toda a diferença. Para viver esta experiência, as matrículas para o segundo semestre já estão abertas na Unesc, por meio do Ingresso sem Vestibular.

Para se matricular no curso de Fisioterapia da Unesc, basta entrar em contato com o Setor Comercial, pelo WhatsApp (48) 99915-0433 ou pelo telefone (48) 3431-2500.

Colaboração: Milena Nandi / Comunicação Unesc