InternetData CenterAssinante

Em tempos de pandemia, o atendimento domiciliar ganha força na área da saúde

Profissionais comentam sobre o trabalho feito com pacientes que estão em casa
Em tempos de pandemia, o atendimento domiciliar ganha força na área da saúde
Foto: Divulgação/Únic
Por Redação Em 25/04/2020 às 20:24

A maioria da população de Criciúma e região acaba de completar um mês de quarentena. A preocupação com a pandemia de Covid-19 é prioridade, mas não pode ser a única. Pensando nisso alguns profissionais de saúde estão realizando atendimentos domiciliares incentivando que os pacientes não interrompam suas consultas e atividades. Os especialistas da Únic fazem parte desta estatística.

As enfermeiras Katiana Scarpari Perucchi e Luciane Resende Ribeiro, realizam o trabalho em prol do bem-estar de idosos e acamados. “Temos uma atenção especial com estes pacientes, prevenindo e tratando lesões de pele (curativos complexos, aplicação de laserterapia para feridas agudas e crônicas). Além da verificação e registro de sinais vitais”, comenta. “A administração de medicação intramuscular e endovenosa ou (administração de medicações injetáveis) e a passagem de sondas vesical e enteral são realizadas apenas com prescrição médica”, explica.

Todo esse cuidado é complementar ao do Dr. Josmar Luiz Perucchi que reforça às medidas de higienização a este que é considerado o grupo de risco. “Os idosos são os mais vulneráveis por apresentarem imunidade baixa devido ao envelhecimento e pelas comorbidades como pressão alta, diabetes e câncer, por exemplo. Tratar destas demandas no lar, evita infecções desnecessárias como a do vírus, dando conforto e segurança a pacientes e familiares”, reforça.


Atendimento fisioterápico 

Um outro atendimento essencial realizado nas residências é o de fisioterapia, voltado principalmente a pacientes pós operatórios de cirurgias ortopédicas ou que sofreram  Acidente Vascular Encefálico (AVE). “Adaptamos os exercícios para cada tipo de paciente. Costumamos trabalhar com uma faixa elástica tipo thera band para exercícios de resistência, uma bola de pilates e alguns aparelhos específicos para o tratamento. É de extrema importância não interromper as sessões, pois acaba agravando ainda mais o caso, gerando mais dores e dificuldades”, explica o fisioterapeuta Kelvin Rodrigues.

Atividade física não pode parar

O treinamento funcional em casa vem ganhando mais adeptos e o educador físico Renan Bernhardt  atende pessoas com faixa etária de 25 a 66 anos. O profissional segue as recomendações de higiene e distanciamento quando possui mais de um aluno na mesma residência. 

“O treino dura em média 45 minutos de forma individual em um local arejado e sempre acompanhado de um álcool em gel 70%. Faço as prescrições e os exercícios por meio de vídeos e envio a eles. As fases do treinamento são atualizadas a cada sete dias, conforme evolução e feedback do praticante, com embasamento em relação a metodologia da medicina do esporte”, conclui o profissional.

Todos os especialistas estão tomando os cuidados estabelecidos pelos órgãos competentes. Utilizando jalecos, máscaras, toucas, propés (proteção de calçados), aventais e luvas, todos descartáveis, além do álcool em gel 70%, não expondo o paciente a nenhum risco.

Colaboração: Natasha Monteiro/Traquejo Comunicação