InternetData CenterAssinante

Dia Nacional de Combate ao Colesterol traz alerta para doenças cardiovasculares

Doutora comenta sobre importância de controlar o índice e manter hábitos saudáveis
Por Redação Em 07/08/2020 às 15:05

No próximo sábado, dia 8 de agosto, é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Colesterol. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. Em 2017 foram registrados 17,79 milhões de mortes por doenças cardiovasculares, correspondendo a 31,8% do total de mortes.

"O colesterol é importante para várias funções orgânicas, como produção de hormônios e funcionamento das células. Ele pode ser dividido em várias frações, dependendo de sua composição. A fração conhecida como "colesterol ruim", LDL-colesterol (Low density lipoprotein), quando em excesso, se deposita nas artérias de todo o corpo, formando placas de gordura, chamadas aterosclerose que, ao longo do tempo, podem obstruir a passagem de sangue para os órgãos, afirma a coordenadora da disciplina de Cardiologia da Faculdade São Leopoldo Mandic, Prof.ª Dr.ª Carla Patrícia da Silva e Prado.

A aterosclerose pode limitar o fluxo sanguíneo a qualquer órgão. Os órgãos comumente afetados e que podem levar a morte ou limitações sérias a qualidade de vida são o coração, cérebro e vasos sanguíneos periféricos. "Quando a obstrução se dá no coração, pode provocar o infarto do miocárdio, e quando acontece no cérebro, pode provocar o acidente vascular cerebral, conhecido como derrame", diz Dr.ª Carla.

No Brasil, o índice elevado de colesterol - superior a 200 mg/dL - é mais prevalente em mulheres (35,1%), nos indivíduos com mais de 45 anos e com menor escolaridade, dados da pesquisa realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde em 2019. O estudo ainda destacou que das pessoas analisadas, apenas 12,5% afirmaram saber que seu colesterol era elevado e somente 14% já havia realizado dosagem do seu perfil lipídico.

"O motivo para a alta prevalência dos níveis elevados do colesterol é variado. Acredita-se que, desde a era industrial, com a urbanização da população houve modificação relevante dos hábitos alimentares, com diminuição da ingesta de alimentos in natura aliado ao consumo excessivo de alimentos processados e ultraprocessados. Soma-se ao fator alimentar, o desenvolvimento tecnológico acelerado nas últimas décadas, contribuindo ao sedentarismo e ao ganho do peso. A obesidade atualmente é considerada epidêmica e está relacionada diretamente a dislipidemia", salienta a Dr.ª Carla.

De acordo com a especialista da Faculdade São Leopoldo Mandic, o nível elevado de colesterol pode ter diversas origens como: alimentação inadequada, obesidade, sedentarismo, consumo elevado de bebidas alcoólicas, outras doenças associadas, genética etc. Segundo a médica, a recomendação é manter hábitos de vida saudável, uma alimentação livre de produtos ultraprocessados, baixo consumo de alimentos processados e pobre em gordura saturada. Além disso, deve ser limitado o consumo de bebidas alcoólicas, abandonar o cigarro, praticar atividade física regular e manter o peso ideal. "Em alguns casos, após avaliação médica, dependendo do perfil de risco individual, pode ser indicado uso de medicamentos redutores do colesterol", finaliza.

Colaboração: Assessoria de Comunicação | InPress Porter Novelli