InternetData CenterAssinante

Em menos de dois meses, quase 25 focos do mosquito aedes detectados em Criciúma

Sete bairros estão na lista dos locais onde os focos foram encontrados
Em menos de dois meses, quase 25 focos do mosquito aedes detectados em Criciúma
Foto: Divulgação
Por Jessica Rosso Em 13/02/2020 às 20:02

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) que faz parte da Vigilância Epidemiológica detectou este ano 24 focos do mosquito aedes aegypti em Criciúma. Em menos de dois meses os monitores encontraram os focos em sete bairros do município que são: Quarta Linha (2), São Simão (1), Próspera (7), Nossa Senhora do Salete (11), Verdinho (1), Santa Augusta (1) e Imigrantes (1). 

Segundo a coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses Mayara Vieira Tizatto os focos são detectados a partir dos monitoramentos semanais, realizados em 613 armadilhas distribuídas em todos os bairros da cidade, e também por meio de monitoramentos quinzenais de 164 pontos estratégicos. "Os pontos estratégicos são áreas consideradas de risco, pois apresentam grande quantidade de recipientes que podem acumular água e servir de criadouro para mosquitos", explicou.

Conforme a coordenadora durante os monitoramentos as larvas são coletadas e encaminhadas ao laboratório para identificação da espécie. "Quando identificadas larvas do mosquito aedes aegypti, dizemos que há um foco no local", relatou. Segundo ela o foco é trabalhado em um raio de 300 metros, no entorno da área onde as larvas foram coletadas. A partir desta delimitação, os agentes de combate às endemias iniciam as visitas em todos os imóveis do local, fazendo uma vistoria externa,  que vai desde a coleta de amostras até o fornecimento de orientação à população e a eliminação dos recipientes encontrados no local. "Na impossibilidade de eliminação do recipiente, é realizado o tratamento com larvicida. Terminados os procedimentos, dois meses após, todas as visitas são retomadas para se certificar de que o foco foi contido", afirmou.

A coordenadora do CCZ faz uma ressalva à população. "Para o sucesso no combate ao mosquito, é imprescindível que a população faça a sua parte. São apenas 10 minutos, tirados uma vez por semana, para verificar seu ambiente interno e externo e eliminar ou armazenar adequadamente recipientes que possam servir de criadouros de mosquitos.

Principais medidas de prevenção

As principais medidas de prevenção são: escovar, pelo menos, uma vez por semana, potes de água de animais, tanques, baldes e piscinas;

Manter as piscinas tratadas com cloro, continuamente;

Colocar areia até a borda em pratos de plantas;

Colocar o lixo em sacos plásticos resistentes e próximo do horário da coleta pelos caminhões;

Jogar água, pelo menos, uma vez por semana em ralos e vasos sanitários pouco utilizados,

Juntar cascas de bananeira ou coqueiro, quebrando e colocando-as no lixo ou queimando-as;

Manter caixas de água bem vedadas; desobstruir calhas; pneus, materiais de construção e outros, manter secos e em local coberto.

 

Neste sábado, dia 15, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio das agentes de combate às endemias e agentes comunitários de Saúde, promove uma ação de conscientização nos imóveis dos bairros Próspera e Nossa Senhora do Salete, principalmente nos locais onde foram detectadas uma maior quantidade de focos, explica a coordenadora do CCZ. A ação inicia às 8h e encerra às 17 horas.

"Contamos com a colaboração de todos os moradores, para que recepcionem nossos agentes e coloquem em prática todas as recomendações, de forma que juntos possamos combater o mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya, febre pelo zika vírus e febre amarela urbana", finalizou. 

Leia mais sobre: