InternetData CenterAssinante

Inovação e o futuro da maternidade

Medicina reprodutiva disponibiliza o processo de criopreservação
Inovação e o futuro da maternidade
Foto: Arquivo pessoal | Pixabay
Por Redação Em 19/07/2019 às 14:58

Os tempos mudaram, consequentemente a idade para ter filhos também. Muitas mulheres têm optado em ter filhos mais tarde, após os 30 anos. Pensando neste cenário, a medicina reprodutiva atenta as novidades tecnológicas desta área disponibiliza o processo de criopreservação, popularmente conhecido como congelamento dos óvulos, uma técnica de preservação dos óvulos em nitrogênio líquido, por meio de resfriamento.

“Hoje em dia, com o retardado da maternidade, as mulheres estão deixando pra segundo e/ou terceiro plano a questão da gestação. Uma das opções, até pra preservação da saúde da mãe e desse bebê é a opção do congelamento de óvulos, pra gente pensar e prevenir o retardado dessa idade. Congelando com antecedência, vamos minimizar diversas doenças, inclusive de más formações fetais. No momento em que utilizá-los, eles vão ter a idade do congelamento, e não a idade cronológica dessa mulher”, comenta a ginecologista e obstetra, Luciana Isolde Nunes.

Segundo a médica, feito o procedimento de congelamento de óvulos, o momento oportuno para usá-los é quando há a decisão pela gestação. O primeiro passo é procurar pelo ginecologista e esterileuta, entrar em contato com a clínica de reprodução, para saber a qualidade dos óvulos. Depois disso, vai ocorrer a fertilização em laboratório, com o descongelamento dos óvulos e a captação do esperma do companheiro, com a junção das partes irá gerar um embrião, que será implantado dentro do útero.

Quem procura pelo congelamento de óvulos, normalmente, tem inúmeras dúvidas em relação aos valores. “As pacientes acham que é um custo elevadíssimo, mas esta questão está mudando ao longo dos anos, por conta da demanda, mas algo que temos de levar em consideração é a região do país. Além disso, a paciente precisa fazer uso de medicações injetáveis antes de fazer o procedimento. Elas são aplicadas no abdômen, diariamente por aproximadamente doze dias, podendo ser necessários outros ciclos, dependendo da idade da paciente, é uma etapa fundamental para que tenhamos uma quantidade adequada de óvulos para o congelamento”, pontua a ginecologista.

Colaboração: Clara Fernandes