Saúde

Saúde

Cresce a procura pela cirurgia bariátrica

Procedimento estético vem sendo bem aceito pelos brasileiros

13
FEV
2018
| 17h25
17h25
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
DIVULGAÇÃO

Os exercícios físicos e dietas alimentares, apesar de serem o primeiro passo, não descartam a possibilidade da cirurgia bariátrica, que agora está cada vez ampla – pacientes que sofrem com diabetes, hipertensão, apneia do sono e doenças coronarianas também podem fazer. O acesso à informação rápida e infelizmente o crescimento do número de pessoas acima do peso, contribuem diretamente para os estudos recentes que apontam o crescimento de cirurgias bariátricas no Brasil.

De 72 mil em 2012 para 100 mil em 2016, um aumento de 39%, segundo os dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). A maioria dos procedimentos acontecem na rede privada, mas pelo SUS também houve crescimento de 35%. Em uma década o aumento superou os 60%. Tudo isso ocorre porque a população está bem mais informada sobre a cirurgia do que antigamente. No entanto, mais ou mais tarde será preciso pensar também na cirurgia plástica

O excesso de pele na região abdominal pode "estragar" a alegria e entusiasmo visual do paciente logo após a bariátrica. "Com o emagrecimento, existem sobras de peles que diversos tipos de cirurgias plásticas podem tirar e resolver o problema, como a abdominoplastia, mamoplastia, braquioplastia, entre outros", afirma Arnaldo Korn, Diretor do Centro Nacional – Cirurgia Plástica.

Com o emagrecimento, a pele tende a ficar flácida – afinal o antes era um grande abdômen se transformou em um excesso de pele e gordura que pendem pelo corpo, sob o abdômen inferior, nos braços, na parte interna das coxas e até mesmo nas mamas e na região do pescoço. Tudo, na aparência, incomoda qualquer um que fez de tudo para se manter em forma. Por isso, as cirurgias plásticas vêm se aprimorando para fornecer ao paciente o melhor controle do contorno e harmonização corporal.

"Dependendo do peso perdido e do corpo de cada paciente, é possível realizar uma abdominoplastia convencional ou em âncora, com previsão de alta hospitalar entre um ou dois dias, e o uso de uma cinta modeladora por dois meses, para otimizar os resultados", conta Korn. Outra cirurgia que pode ter a necessidade de ser feita é a mamoplastia. A perda de peso confere uma queda acentuada do tecido mamário, e a maior dificuldade nestes casos é que esta região é composta desse tecido e de gordura. Por isso, pode ser necessário o implante de silicones.

Às vezes ainda será preciso fazer a cirurgia "vilã" dos noticiários, a lipoaspiração. "Muitas pessoas associam a lipoaspiração com algo negativo, pura estética, mas não é bem assim. Dependendo do caso ela poderá ser necessária, e em conjunto com a abdominoplastia, para retirar a gordura em excesso que ainda está no corpo", completa o diretor. Afinal de contas a perda de peso é assunto sério, pois se trata de saúde e qualidade de vida.

Leia mais sobre: cirurgia bariátrica
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Criciúma representa Estado em projeto nacional de modaConheça as etapas da importação dentro do portoFNDE realiza vistoria na Escola Rosalino de NezGiovanna Amboni é a Musa 2018 da Sociedade Recreativa MampitubaAniversariantes neste dia 22/02Mais de duas mil pessoas nas arquibancadas do Majestoso