navegue nos blocos da capa

Saúde

Criciúma

Varredura contra mosquito da dengue é realizada na Quarta Linha

Após a captura de larvas do Aedes aegypti, mais de 150 imóveis foram vistoriados

16
FEV
2017
| 15h31
15h31
Redação Portal Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Não foram encontrados novos focos do Aedes aegypti no bairro Quarta Linha, em Criciúma. Após o Programa de Combate à Dengue capturar larvas do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus na última segunda-feira, uma varredura em mais de 150 imóveis foi concluída nesta quinta-feira.

A varredura de 300 metros nas proximidades onde os focos foram registrados, em empresas localizadas na Rodovia Luiz Rosso, abrangeu vistorias em residências, estabelecimentos comerciais e terrenos baldios. “Foi uma varredura geral, como recomenda o Ministério da Saúde. Verificamos todos os lugares que possam acumular água, como calhas, caixa d'água e pneus. Estivemos em postos de saúde para colocar informativos, além de orientar os moradores”, relata o supervisor municipal do Programa de Combate à Dengue, Luis Fernando Santa Helena.

O CCZ possui mais de 670 armadilhas distribuídas em cerca de 180 pontos estratégicos de Criciúma. Conforme o coordenador municipal do Programa de Combate à Dengue, Robson Teller, somente no bairro Quarta Linha, 30 armadilhas foram instaladas. “Ainda estamos ampliando mais a rede. Os locais são verificados semanalmente por 14 agentes de combate a endemias”, explica.

Uma nova varredura será realizada em dois meses. “É importante que essas verificações sejam feitas para que o vetor não entre na cidade. Existem muitas armadilhas em locais que o mosquito possa entrar, como transportadoras e lugares próximos ao limite de Criciúma”, comenta a secretária municipal de Saúde, Francielle Lazzarin Gava.

Orientações da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive):

- Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda;

- Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

- Mantenha lixeiras tampadas;

- Deixe os depósitos para guardar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d'água;

- Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

- Trate a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;

- Mantenha ralos fechados e desentupidos;

- Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

- Retire a água acumulada em lajes;

- Dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;

- Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

- Evite acumular entulho, pois podem se tornar locais de foco do mosquito da dengue;

- Denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

- Caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para atendimento.

Colaboração: Émerson Justo / Decom  

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Com a Via Rápida, o isolamento de parte de CriciúmaBrinquedos de parque de diversão começam a ser montados em Criciúma Curso gratuito de dança de salão em Morro da FumaçaAto contra a reforma da previdência e terceirização marcado para esta sextaFCF afasta auxiliar que anulou gol do CriciúmaDomingo é dia de eleições suplementares em Sangão