navegue nos blocos da capa

Saúde

Criciúma

Varredura contra mosquito da dengue é realizada na Quarta Linha

Após a captura de larvas do Aedes aegypti, mais de 150 imóveis foram vistoriados

16
FEV
2017
| 15h31
15h31
Redação Portal Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Não foram encontrados novos focos do Aedes aegypti no bairro Quarta Linha, em Criciúma. Após o Programa de Combate à Dengue capturar larvas do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus na última segunda-feira, uma varredura em mais de 150 imóveis foi concluída nesta quinta-feira.

A varredura de 300 metros nas proximidades onde os focos foram registrados, em empresas localizadas na Rodovia Luiz Rosso, abrangeu vistorias em residências, estabelecimentos comerciais e terrenos baldios. “Foi uma varredura geral, como recomenda o Ministério da Saúde. Verificamos todos os lugares que possam acumular água, como calhas, caixa d'água e pneus. Estivemos em postos de saúde para colocar informativos, além de orientar os moradores”, relata o supervisor municipal do Programa de Combate à Dengue, Luis Fernando Santa Helena.

O CCZ possui mais de 670 armadilhas distribuídas em cerca de 180 pontos estratégicos de Criciúma. Conforme o coordenador municipal do Programa de Combate à Dengue, Robson Teller, somente no bairro Quarta Linha, 30 armadilhas foram instaladas. “Ainda estamos ampliando mais a rede. Os locais são verificados semanalmente por 14 agentes de combate a endemias”, explica.

Uma nova varredura será realizada em dois meses. “É importante que essas verificações sejam feitas para que o vetor não entre na cidade. Existem muitas armadilhas em locais que o mosquito possa entrar, como transportadoras e lugares próximos ao limite de Criciúma”, comenta a secretária municipal de Saúde, Francielle Lazzarin Gava.

Orientações da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive):

- Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usar, coloque areia até a borda;

- Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

- Mantenha lixeiras tampadas;

- Deixe os depósitos para guardar água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d'água;

- Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

- Trate a água da piscina com cloro e limpe uma vez por semana;

- Mantenha ralos fechados e desentupidos;

- Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

- Retire a água acumulada em lajes;

- Dê descarga no mínimo uma vez por semana em banheiros pouco usados;

- Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

- Evite acumular entulho, pois podem se tornar locais de foco do mosquito da dengue;

- Denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

- Caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para atendimento.

Colaboração: Émerson Justo / Decom  

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Os acordes que levaram até MoçambiqueNatação de Criciúma conquista três medalhas no Sul-BrasileiroCriciúma recebe curso de Socorrista e Resgatista ProfissionalCriciúma conquista três títulos na Copa ACRFinanciamento online é criado para auxiliar jovem no tratamento de doença raraApós briga, homem é esfaqueado no braço e na região do crânio