navegue nos blocos da capa

Saúde

Criciúma

HSJ: Risco de falência e intervenção agressiva

Direção do hospital se diz agredida com possível intervenção, e projeta risco de falir

20
MAR
2017
| 08h52
08h52
Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Arquivo Engeplus

Repercutiu com força no Hospital São José (HSJ) a ameaça exposta na última sexta-feira pelo prefeito Clésio Salvaro (PSDB), de uma possível intervenção administrativa na instituição caso persistisse o risco de suspensão de serviços como maternidade e oncologia, conforme cogitado em reunião no Ministério Público Federal (MPF) na quinta-feira.

“Nos sentimos agredidas”, diz a irmã Líbera Mezzari, diretora do HSJ, em entrevista à Rádio Eldorado. “O prefeito nos visitou na sexta, expôs sua posição, nós colocamos nossas reivindicações. Foi uma conversa tranquila. Não é nossa intenção suspender qualquer serviço”, apontou a diretora.

Ocorre que a redução de repasse proposta pelo governo trouxe consequências. A irmã Líbera lembra que, na negociação do novo contrato - o atual termina no fim do mês -, veio do município o aceno de diminuição dos valores. “Você assinaria algo que põe em risco de falência o seu negócio? A proposta feita nos coloca em risco”, contou a diretora. “De mais a mais, há uma inadimplência do governo de R$ 30 milhões, o hospital faz quase o impossível para se manter aberto. O problema não está no hospital, está na inadimplência e, agora, no corte de verbas”, frisou.

Já que o município está propondo um repasse menor, o HSJ contrapropôs o repasse dos serviços de maternidade para o Hospital Materno Infantil Santa Catarina, “que está lá, belo mas se deteriorando, e que foi escolhido pelo município e Estado. Que transfiram para lá”, pontuou a diretora do HSJ. Uma nova reunião no MPF será realizada no dia 27.

O prefeito Salvaro está em Florianópolis nesta segunda-feira para tratar do tema na secretaria de Saúde. “Vamos conversar com o governo sobre a questão do hospital. Eu sei que, para o cidadão, o que mais importa não é quem faz a gestão, mas sim o importante é ser bem atendido”, explicou.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Paróquia Imaculado Coração de Maria em Jantar FestivoPela primeira vez, um cardeal celebra na regiãoUm Santuário que é uma aula de catequeseDois bispos e um sonho de muitos anosGoleada de Beto Cachoeira e do MetroAlimentar os peregrinos do Sagrado Coração é preciso