Saúde

Saúde

Doença celíaca acomete um em cada 600 brasileiros

​Número de celíacos, porém, pode ser maior; pesquisas apontam apenas casos já diagnosticados

24
OUT
2016
| 15h50
15h50
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Um levantamento da empresa de análise de mercado Mintel aponta que 7% dos adultos britânicos evitam o glúten por conta de alergia ou intolerância e mais de 8% o evitam por conta de um "estilo de vida saudável". O levantamento estima em US$ 9 bilhões o mercado americano de produtos sem glúten.

Em outro estudo, este publicado na revista Science Translation, indica que cerca de 1% da população ocidental tem intolerância ao glúten. No Brasil, segundo a Associação de Celíacos do Brasil - Acelbra,  há um portador da doença celíaca para cada 600 habitantes. O número de celíacos, porém, pode ser maior, já que as pesquisas apontam apenas os já diagnosticados.

Em 2016, estima-se que as vendas de produtos sem glúten e sem lactose alcancem R$15,6 bilhões de dólares somente nos EUA. Para 2017, perspectiva de aumento é de 40%. Na Feira Glúten Free, em São Paulo, houve um aumento de 250% no número de inscritos de 2013 para 2014.

A doença celíaca é uma doença auto-imune, na qual o próprio organismo, devido a alterações genéticas, não tolera alimentos que contêm glúten. Com o tempo, o glúten para estes indivíduos leva a perda das vilosidades intestinais. Segundo estudos, ocorre com o tempo um processo inflamatório grave no intestino delgado impedindo a absorção de vitaminas e nutrientes. 

Os principais alimentos que contém glúten são a cevada, trigo, aveia e centeio. Os produtos sem glúten possuem pouca caloria, logo, favorecem a uma dieta equilibrada. “Os ingredientes dos produtos sem glúten são selecionados e balanceados para garantir um alimento saudável, com todos os detalhes dos valores nutricionais de cada produto”, explica Juliana Carneiro, responsável pelo controle de qualidade da Livre & Leve, uma linha de misturas sem glúten, sem lactose e livre de gordura trans, da empresa paranaense Rmix Alimentos Saudáveis.

Além dos celíacos, pessoas que tenham intolerância ao glúten também precisam cuidar da alimentação.  A pessoa, neste caso, pode relatar desconforto abdominal, queimação no peito, náusea, diarreia, falta de ferro ou perda óssea, fadiga, desnutrição e perda de peso. A base do tratamento é realizar uma alimentação livre de glúten e utilizar suplemento alimentar e vitaminas.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Atrações especiais marcam aniversário de oito anos da Feira LivreExperiência de Oração será realizado neste fim de semanaMobilidade urbana norteia debate do Cultura AcicGestantes recebem orientações sobre gravidez e cuidados com os bebêsSuspeitos de cometerem homicídio são presosUnesc comemora 50 anos em evento com a participação da comunidade