InternetData CenterAssinante

Viúvo será ordenado diácono em Urussanga

O leigo Vânio Margutti Pereira, 58 anos, se prepara, desde 2014, para abraçar a vocação
Viúvo será ordenado diácono em Urussanga
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 27/11/2018 às 15:50

Pela primeira vez desde a sua criação, em 1998, a Diocese de Criciúma ordenará diácono para a Igreja um seminarista viúvo e pai. O leigo Vânio Margutti Pereira, 58 anos de idade, se prepara, desde 2014, para abraçar a vocação sacerdotal. A celebração de ordenação diaconal, que antecede a presbiteral, será celebrada no domingo, 2 de dezembro, às 15 horas, no Centro Comunitário da Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, em Urussanga, onde Vânio realiza experiência pastoral.

A missa com o rito será presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Jacinto Inacio Flach, que já marcou a data da ordenação presbiteral para o dia 11 de maio, também às 15 horas, na Igreja Santo Antônio de Pádua, em Sombrio, cidade para onde Vânio se mudou com a família aos 13 anos de idade e viveu até os últimos anos com a falecida esposa e com a filha.

O chamado à vocação

Segundo filho dos sete de Ilda Margutti e Alcides Pereira, Vânio é natural da comunidade de Cachoeira, interior de Praia Grande, município que faz divisa com o Rio Grande do Sul. Desde pequeno, Vânio sempre gostou de ir à igreja rezar e não faltava a nenhuma missa. Aos 19 anos de idade, ingressou no Seminário da Ordem dos Servos de Maria, em Turvo, onde permaneceu por três anos. A inspiração para seguir a vida seminarística veio do testemunho dos freis capuchinhos Gervásio e Protásio, que eram irmãos gêmeos e durante muito tempo serviram a Paróquia São Sebastião, em sua terra natal.

O casamento

Como tudo tem seu tempo certo para acontecer, especialmente o tempo de Deus, Margutti acabou seguindo outro caminho. Saiu do seminário e, mais tarde, conheceu Eliane Oliveira, com quem viveu 30 anos de matrimônio e teve a filha Vanéli, hoje com 33. O casal sempre foi envolvido no serviço à Igreja, integrando Comissão de Assuntos Econômicos e Pastorais, Conselhos de Pastoral da Paróquia e da Comunidade, Irmandade de São Sebastião e também foram coordenadores dos Ministros da Eucaristia. “Nós formávamos uma família de Igreja, honesta. Havia muito amor entre nós, mesmo nas adversidades do cotidiano”, recorda Margutti.

A perda da esposa

Na noite de 17 de novembro de 2011, durante uma festa da empresa onde a esposa trabalhou por muitos anos, Eliane sofreu um acidente vascular cerebral. A esposa ficou hospitalizada por 25 dias, até que veio a falecer, em 12 de dezembro do mesmo ano. Margutti viveu um momento de profundo pesar, ao entregar para Deus aquela que foi o grande amor de sua vida. Com a morte da esposa – com exceção do amor pela filha e da dedicação ao trabalho – nada mais fez sentido à vida de Vânio, a não ser o serviço zeloso à Igreja. Em julho de 2014, quase três anos depois, com discernimento e com a autorização do bispo diocesano e com o apoio dos padres da Paróquia, ele tomou a grande decisão de retomar a caminhada para o sacerdócio. “Uma vez viúvo e, sem a outra parte de minha carne, com o desejo de apegar-me às coisas de Deus e me preparar para a vida eterna, Deus me deu uma segunda chance e decidi abraçá-la”, declara Margutti.

A formação

O seminarista concluiu, em janeiro de 2017, os estudos na Escola Diaconal Santo Estevão, em São Leopoldo (RS). No decorrer do ano passado, participou, integralmente, das atividades junto aos seminaristas diocesanos no Seminário Teológico Bom Pastor, em Florianópolis e, neste ano, em períodos alternados, conciliando com o estágio pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Urussanga. Vânio também serviu as paróquias Santo Antônio de Pádua, em Sombrio, e Nossa Senhora da Conceição, em Maracajá.

O lema para a vida diaconal

Com o lema diaconal extraído da oração do Pai Nosso, do livro de Mateus (6,10), Vânio oferece a Deus a sua vida com estas palavras: “Seja feita a Tua vontade”. “Esse lema se encaixa com a minha decisão, pois falei, um dia, para minha esposa, que, quando me aposentasse, não queria fazer absolutamente mais nada, porque meu período de trabalho foi muito sacrificante, enfrentei muitas adversidades. Só que hoje, olhando para minha vida e para a idade que tenho, me pergunto: ‘Meu Deus, por que houve essa transformação tão grande na minha vida? Por que hoje estou me dedicando?’” – relata Vânio, diante da agenda corrida da Paróquia, que envolve uma série de celebrações e reuniões, diariamente – “Eu tinha uma idéia e hoje vivo um momento diferente. Classifico como duas vidas: numa casei, tive filho, construí casa, construí minha vida, alicercei minha família e parece que ela chegou ao fim com a morte da minha esposa. Eu não pensei em me casar novamente, até porque eu não iria encontrar uma pessoa da qual eu gostasse tanto como amei minha esposa. Comecei a perceber que isso só pode ser coisa de Deus. Já que eu tinha esse pensamento e hoje me entreguei totalmente a Deus, por que não o lema ‘Seja feita a Tua vontade’? ‘Seja feita a Vossa vontade!’, como está escrito na oração do Pai Nosso! Eu sou muito devoto de Maria, e Maria também disse ‘seja feita a Tua vontade’. Aquelas pessoas que querem, realmente, servir a Deus, tem que se despojar de tudo e eu vivo a minha vida dizendo isso, para Deus fazer o que Ele quiser de mim, que seja feita a vontade Dele”, explica Vânio.
 
A segunda chance dada por Deus

Conforme Vânio, ele se sente como se estivesse despertando de um sonho que durou 30 anos, desde que saiu do seminário, ainda jovem, casou e constitui família. “Estou acordando para o segundo sonho que é onde estou vivendo e o que estou vivendo, na doação da minha vida para Deus. Os estudos são importantes e claro que não me sinto formado. Sinto que já tenho um grande conhecimento para fazer aquilo que é mais importante na vida de uma pessoa que se doa a Deus, que é ser feliz e fazer o outro feliz, buscar a sua salvação, mas também salvar o outro. Há uma preparação, mas para isso nunca se está preparado, pois é um campo muito grande, onde se tem muito a aprender, muitas coisas a fazer e sempre que houver formações, devo participar. Quero me aprofundar mais no Setor Vida e Família, porque eu tive uma família. Muita gente diz: ‘O padre também sabe, porque ele vem de uma família’, mas, muitas vezes, ele vai novo para o seminário. As atividades, o cotidiano que circunda a família, no dia a dia, é uma luta. Sinto que posso contribuir e ajudar as pessoas nesse sentido. Quero buscar o que for possível na formação para poder contribuir com a Diocese, com a minha paróquia e, principalmente, com as pessoas que tanto precisam de alguém que já teve experiência para que diga uma palavra de encaminhamento, de conforto para a sua vida”.

Filha apóia decisão do pai em ser padre

A filha de Vânio, Vanéli, é sua grande incentivadora. “Meus pais sempre trabalharam na Igreja e foi muito marcante na minha infância e adolescência nossas orações e a educação que recebi, com valores e princípios difíceis de se encontrar hoje em dia. Sempre soube que meu pai foi seminarista. Conheço seus amigos dessa época e participei com meus pais de vários encontros de ex-seminaristas servitas. Sei que foi um período muito importante, rico e essencial na vida do meu pai, e que o marcou profundamente ao longo desses anos.Após o falecimento da minha mãe e do vazio que se abateu em nós, tive uma grande felicidade quando meu pai me revelou que gostaria de regressar ao seminário e concluir sua formação sacerdotal. Deus sempre chama pessoas especiais: chamou minha mãe para Lhe fazer companhia e meu pai para servi-Lo. Apoio-o nessa decisão, pois o vejo cada dia mais feliz e motivado, realmente realizado com o caminho que escolheu. Acredito que, assim como é um ótimo pai, será um excelente padre também. Tem amor pelas coisas de Deus, busca sempre fazer o melhor e sabe como uma família funciona (com suas imperfeições e alegrias).Estou muito feliz em vê-lo feliz, fazendo o que ama e escolheu por amor. Serei a ‘filha do padre’, e isso me enche de orgulho, por ele escolher seguir a Cristo.Algumas pessoas foram contra no início, eu não. Até porque, vejo que ele renasceu ao tomar a decisão de se consagrar a Deus pelo sacramento da Ordem. Rezo todos os dias pela sua vocação!”, declara Vanéli.

O apoio de Dom Jacinto

“Devo tudo a Dom Jacinto. Um homem, para mim, santo e abençoado, que vê nas pessoas o que outros não vêem. Ele ama a Igreja e sabe o quanto a Igreja precisa de pastores para conduzir esse povo. Rezo muito pelo clero e por ele”, afirma o candidato ao Diaconato.

Dom Jacinto afirma que, na Diocese, existem comunidades e congregações que acolhem viúvas para o discernimento e opção pela vida religiosa. “Nós, na Igreja, muitas vezes não conhecemos esta realidade. É o caso de pessoas que estiveram casadas, e no fundo tem um grande sentimento de servir a Deus para o resto da sua vida, que podem também servir como diáconos ou padres. Tenho certeza que muitas pessoas têm o chamado para esse caminho e não sabem desta realidade. Não é costume em nosso Estado, mas em Porto Alegre (RS), tivemos muitas experiências maravilhosas e posso dizer que esta é uma porta que se abre para muitas pessoas que ficam se perguntando, depois que encaminharam sua família e sua vida está bem, que ainda poderiam servir muitos anos na Igreja”, explica o epíscopo.

Sobre Vânio, Dom Jacinto se refere com alegria. “Eu o conheço há muitos anos. Posso dizer, e o clero que o conhece, que é uma pessoa muito especial, tranquila, e que, realmente, aquilo que está no coração dele é verdadeiro, é um grande desejo, um sonho que ele alimenta há muitos anos. Eu mesmo, observando a postura dele, vi que este homem poderia servir mais do que só ajudar um pouquinho na Paróquia. Por isso, fiz o convite e ele, emocionado, aceitou e depois de cinco anos chegou o momento de o ordenarmos como diácono e, depois, como padre, para servir totalmente à Igreja. Tenho certeza que ele será uma pessoa muito feliz e fará muito bem, especialmente junto aos casais, porque ele é um pai de família. Vai ser uma riqueza para a nossa Igreja!”, declara o Bispo de Criciúma.

Programação da Semana Vocacional

26/11 - segunda-feira
19h30min: Missa Vocacional - Belvedere (Pe. Lucas Fernandes Bombazar)
19h30min: Missa Vocacional - Armazém (Pe. Alex Sandro Serafim)
 
27/11 - terça-feira
Visita - Escola Vincenzo De Villa
Visita -  Escola Caetano Bez Batti
19h30min: Missa Vocacional - De Villa (Pe. Daniel Pagani)
19h30min: Missa Vocacional - Rio Salto (Pe. Adair Pasini)
 
28/11 - quarta-feira

Visita -Escola Barão do Rio Branco
Visita -  Escola Lydio De Brida
19h30min: Missa Vocacional - Santana (Pe. Daniel Pagani)
19h30min: Missa Vocacional - Ribeirão da Areia (Pe. Gilson da Silva Pereira)
19h30min: Missa Vocacional - São João do Rio Maior (Pe. José Benjamin Cipriano - Zezinho)
19h30min: Missa Vocacional - Estação (Pe. José Aires de Souza Pereira)
 
29/11 - quinta-feira
Visita -  Colégio Monsenhor
19h30min: Missa Vocacional - Rancho dos Bugres (Pe. Roberto Silva)
19h30min: Missa Vocacional - Santa Luzia (Pe. Gilson da Silva Pereira)
 
30/11 - sexta-feira
Visita -  Escola Rosalino De Nez
Visita -  Escola Antonieta Quintanilha de Andrade
19h30min: Missa Vocacional - Rio América (Pe. Antonio Mendes)
19h30min: Missa Vocacional - Palmeira do Meio (Pe. Adair Pasini)
19h30min: Missa Vocacional - Rio Carvão Baixo (Pe. Antônio Marcos Machado Madeira)
19h30min: Missa Vocacional - Linha Pacheco (Pe. Gabriel Manarim Dalmolin)
19h30min: Missa Vocacional - Rio Caeté (Pe. José Cipriano Neto - Zeca)
19h30min: Missa Vocacional - Nova Itália (Pe. Jiovani Manique Barreto)
 
01/12 - sábado
Manhã: Arrastão no Centro da Cidade
19h: Missa e Novena da Festa - Matriz
19h: Missa Vocacional - Rio Molha (Pe. Jiovani Manique Barreto)

Colaboração: Bibiana Pignatel - Setor de Comunicação - Diocese de Criciúma