InternetData CenterAssinante

Projeto que proíbe linguagem neutra em Criciúma deve entrar em votação na próxima semana

Proposta é do vereador Obadias Benones e está em tramitação desde junho
Projeto que proíbe linguagem neutra em Criciúma deve entrar em votação na próxima semana
Foto: Thiago Hockmüller/Portal Engeplus
Por Thiago Hockmüller Em 27/07/2021 às 18:04

Vereadores de Criciúma devem votar na próxima semana o Projeto de Lei 40/2021 que prevê a proibição da linguagem neutra na grade curricular, no material didático de instituições de ensino e em editais de concursos públicos. O PL, de autoria do vereador Obadias Benones (Avante), já tramitou nas quatro comissões fixas da casa legislativa criciumense e está liberado para inclusão na ordem do dia.

A discussão em torno do tema também motivou uma proposição da deputada estadual Ana Caroline Campagnolo, editada em decreto do Governo do Estado. O documento prevê a obrigatoriedade do uso da norma culta da Língua Portuguesa por instituições públicas e privadas de ensino, além de bancas examinadoras de concursos públicos. A assinatura foi realizada pelo governador Carlos Moisés no dia 15 de junho, na Casa d´Agronômica, em Florianópolis, e foi acompanhada pelo secretário da Educação, o criciumense Luiz Fernando Vampiro.

"Empobrece o vocabulário"

Para o vereador Benones, o projeto acompanha a discussão nacional sobre a linguagem neutra e garante a manutenção do ensino sem novas formas de flexão de gênero. “Comecei a ouvir sobre pronome neutro e fui estudar. Vi que aqueles que defendem essa proposta, alegam que a linguagem neutra é inclusiva, mas não é. A linguagem neutra empobrece nosso vocabulário, confunde nossas crianças e segrega aqueles que têm dificuldade de aprendizado da nossa língua pátria, principalmente os disléxicos”, argumenta.

O autor da proposta acredita que o tema entrará em votação na segunda-feira, dia 2 de agosto, em sessão ordinária da Câmara de Vereadores. Benones garante que não há articulação para que a votação aconteça em uma data específica, todavia, acredita que terá aprovação e já ouviu manifestações favoráveis de colegas de Câmara.

“No português, "todos" engloba todas. E não é coisa da minha cabeça não. Todos sabem que o português vem do latim, e no latim havia o gênero masculino, o gênero feminino e o gênero neutro. Na passagem do latim para o português o masculino passou a fazer o papel do neutro. Então quando você dá bom dia a todos, você está cumprimentando todo mundo. Dizer boa noite a todos e a todas é redundância. E ‘todes’ eu nem vou comentar porque não é língua portuguesa”, justifica.

O projeto prevê ainda sanções administrativas às instituições de ensino, tanto públicas quanto privadas, e aos profissionais que ministrarem a linguagem neutra. “A Secretaria responsável pelo ensino do município, deverá empreender todos os meios necessários para valorização da língua portuguesa culta em suas políticas educacionais, fomentando iniciativas de defesa aos estudantes na aplicação de qualquer aprendizado destoante das normas e orientações legais de ensino”, diz o texto.

Clique aqui e confira na íntegra o PL 40/2021.