InternetData CenterAssinante

Na Alesc, Tati Teixeira quer lutar pela defesa dos idosos

Ela é a quarta suplente da coligação Santa Catarina Pode Mais
Na Alesc, Tati Teixeira quer lutar pela defesa dos idosos
Foto: Thiago Hockmüller/Arquivo Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 05/01/2021 às 11:23

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) está contando com mais uma representante do Sul do Estado. Tati Teixeira (MDB) tomou posse no Parlamento catarinense em ato realizado na tarde desta segunda-feira, dia 4. Ela garantiu em entrevista na manhã desta terça-feira, que buscará trabalhar pelos próximos 30 dias em duas diretrizes. 

“Meu primeiro trabalho será retornar com o gabinete itinerante. Quero também defender o direito das pessoas idosas, pois é um momento muito difícil. Precisamos estar preparados para receber os idosos com qualidade”, destacou em entrevista ao jornalista João Paulo Messer, da Rádio Eldorado. 

Ela é a quarta suplente da coligação Santa Catarina Pode Mais (PR-PRTB-PTB-PTC-PPS-Avante-DC), a parlamentar vai ocupar a vaga do deputado Maurício Eskudlark (PL), licenciado para tratar de assuntos particulares por 30 dias. “Criciúma e a região Sul ganham mais força e agora podemos levar nosso olhar e a forma de trabalhar para todo estado. É um tempo curto, são 30 dias, mas não diminui a responsabilidade”, comentou.  

Futuro 

Ao não se eleger em 2018 como deputada estadual com 11.256 votos, Tati ressaltou que entendeu o recado dos eleitores. “Desde de 2018 entendi o recado da sociedade e voltei para a minha profissão de psicopedagoga. Descobri novas áreas de atuação e por opção minha não disputei a eleição municipal de 2020”, afirmou. “Queria agradecer a todos que se envolveram nas eleições de 2018, por questão inexplicável assumimos como deputada estadual”, acrescentou. Ao ser questionada se disputará novas eleições, Tati foi enfática. “Não trabalho mais com o futuro, e sim, com o presente”, finalizou. 

Trajetória política

Natural de Criciúma iniciou sua carreira política em 2008 sendo eleita vereadora de Criciúma pelo PSDB aos 29 anos, com 2.145 votos. Já em 2010 concorreu a deputada estadual, novamente pelo PSDB, e conseguiu 15.146 votos, mas não se elegeu. Dois anos mais tarde se reelegeu na Câmara Municipal de Criciúma, já pelo PSD, com 2.903 votos, sendo a terceira mais votada. Tati tentou ser vice-prefeita em 2016 na chapa com Cleiton Salvaro, mas a chapa acabou desistindo de concorrer. Pelo PPS a criciumense concorreu à deputada em 2018 e alcançou 11.256 votos.

Na Câmara de Vereadores de Criciúma em 2014, Tati, na condição de presidente do Parlamento municipal, teve a oportunidade de assumir como prefeita interina de Criciúma. Agora, como deputada estadual, a parlamentar passa a integrar a bancada feminina da Assembleia e o bloco de deputados representantes da região Sul no Legislativo estadual, hoje a maior bancada representativa de uma região, com nove deputados.