InternetData CenterAssinante

Vereador propõe ampliação de fundo para manter e gerar 300 empregos em Içara

A proposta foi apresentada nesta semana pelo vereador Alex Michels
Vereador propõe ampliação de fundo para manter e gerar 300 empregos em Içara
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 10/04/2020 às 21:26

As soluções ou atenuações para a crise econômica gerada pela pandemia do Covid-19, têm sido fonte de debates e entraves no nível estadual e federal. Baseado nisso, a nível municipal, o vereador por Içara, Alex Michels (PSD), criou uma proposta para manutenção e geração de até 300 empregos no município, baseado no aumento de um fundo de recursos, que atualmente conta com R$ 250 mil para R$3 milhões. 

A Lei N° 4.485, de 3 de fevereiro de 2020, aprovada na Câmara Municipal de Içara, limita o valor global em até R$250 mil como fundo de risco de crédito com a finalidade de garantir total ou parcial as operações realizadas no âmbito do “Programa Credito Cidadão”, ou seja, já que a maior dificuldade das pequenas empresas é ter um fiador a regulamentação coloca o Poder Público como avalista.

A ideia é aumentar esse fundo, podendo chegar a R$ 3 milhões, passando pelos crivos necessários, convidando para o debate, em curto prazo, entidades como ACII, CDL, governo municipal, Secretaria de Assistência Social, Habitação, Trabalho e Renda, e afins, cooperativas de credito, Sebrae, Ministério Público e loteadores do município.

Içara hoje conta com cerca de dois mil lotes públicos ociosos, boa parte destes terrenos podem ser uteis para a proposta, de acordo com o vereador. “Destes, se 30 forem colocados como fundo garantidor no valor mínimo de R$ 75 mil, contando com os loteadores, 10 áreas doadas, seria um total de 40, somando R$ 3 milhões disponíveis para ampliação do recurso”, sugere o vereador, que reforça: “A cada 10 mil reais de subsidio, com critérios de valores conforme cada seguimento, aquele empregador que aderir teria como critério manter no mínimo o empregado por 12 meses”.

Durante a transmissão o parlamentar informou que a empregabilidade dessas empresas caiu de 80 para 50%, ao argumentar arrojo na proposta. “Dentro do quadro econômico a tendência é esse número cair ainda mais. É uma proposta audaciosa, sim, mas viável e que precisa ser tratada com todos os poderes e apoio do poder judiciário”, salienta.

Com a retaguarda do Sebrae e Secretaria de Assistência, a proposta visa fomentar esses beneficiários no sentido de auxiliar com preposições inovadoras de trabalho, novas ferramentas, criatividade e administração desses recursos. “Poderemos ter ótimos resultados e servir até de modelo para outros municípios que se encontram na mesma situação. Precisamos cuidar da saúde, da assistência às famílias vulneráveis, mas precisamos pensar também em alternativas para amenizar a crise econômica”, finaliza Michels.

Leia mais sobre: