InternetData CenterAssinante

“Estamos fazendo nossa parte e que cada um faça a sua”, afirma presidente da Câmara de Criciúma

Em Criciúma, os vereadores decidiram diminuir em 10% os seus salários
“Estamos fazendo nossa parte e que cada um faça a sua”, afirma presidente da Câmara de Criciúma
Foto: Divulgação
Por Rafaela Custódio Em 09/04/2020 às 10:52

O presidente da Câmara de Criciúma, vereador Tita Belloli (PSDB) teve um corte de 20% de seu salário e os demais vereadores 10%. A intenção é contribuir com a economia da Prefeitura em relação a pandemia do coronavírus. Além dos parlamentares, também entrou na pauta, o PL 21/20 que trata do o subsídio do prefeito Clésio Salvaro e do vice-prefeito. Cada um teve redução de 20% e 10% respectivamente. 

Em entrevista ao jornalista João Paulo Messer, da Rádio Eldorado, o presidente da Câmara foi enfático sobre as críticas. “Quem acha que a ideia foi de político, que faça da mesma forma, se tiver condições”, disparou. 

Belloli ainda afirmou que a Câmara de Criciúma é uma das mais enxutas de Santa Catarina. Além disso, a Casa Legislativa é fiscalizada e gera uma economia muito grande ao município. “Nós fizemos o enxugamento da máquina e não vamos mais fazer audiências públicas, moções de aplausos e a Câmara Mirim que é uma situação tão importante onde as crianças participam, mas já estamos trabalhando para que se não conseguirmos para este ano seja prorrogado para 2021, pois eles foram eleitos e também cortamos as diárias até porque os vereadores não utilizam muito”, garantiu. 

“Vamos fazer economia de mais de R$ 120 mil por mês e isso equivale quase R$ 1 milhão até o final de 2020. Estamos fazendo nossa parte e que cada um faça sua”, comentou. 

O presidente da Câmara ainda afirmou que não é o momento de demissão de assessores, por exemplo. “Você acha que é justo eu demitir um pai de família? Onde que ele irá arrumar emprego?”, questionou. A redução dos parlamentares chega a 30%, pois eles não tiveram a reposição do reajuste da inflação acumulada do período Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) nos anos de 2016, 2017, e 2018.