InternetData CenterAssinante

Deputada lança Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas Desaparecidas

Levantamento aponta que 786 mil pessoas desapareceram entre 2007 e 2017
Deputada lança Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas Desaparecidas
Foto: Divulgação
Por Redação Em 11/09/2019 às 20:50

A deputada federal Geovania de Sá (PSDB) acaba de lançar a Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas Desaparecidas. O grupo de trabalho vai atuar, com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, na elucidação de casos, no amparo aos familiares e na eliminação de novos registros.

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública para uma pesquisa do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, pelo menos oito pessoas desaparecem por hora no Brasil. O levantamento aponta que 786 mil pessoas desapareceram entre 2007 e 2017. 

A ministra Damares Alves, presente no lançamento, explica que vários podem ser os motivos de tais desaparecimentos. Ela cita o tráfico internacional de pessoas, o tráfico de órgãos, a adoção ilegal, a exploração sexual e, até mesmo, a realização de rituais.

“E é lamentável que, apesar das tantas facilidades tecnológicas, ainda haja uma deficiência no recolhimento de dados e no cruzamento de informações para fazermos chegar ao fim o sofrimento de inúmeras famílias”, relata a deputada. 

Ela ainda acrescenta que a frente, também, estará atenta ao aperfeiçoamento da legislação brasileira sobre desaparecidos, para que, alinhadas com os tratados internacionais, as políticas nacionais se orientem para a prevenção de futuros casos e à prestação de uma assistência melhor e mais integral às famílias. “Vamos nos empenhar em mobilizar e sensibilizar a opinião pública, para que a sociedade perceba e nunca mais esqueça do caráter premente e humanitário dessa pauta. Queremos um Brasil com menos lares despedaçados, um Brasil mais promissor e feliz”, enfatiza Geovania.

Além da ministra Damares e de deputados federais, o lançamento da frente contou com a presença da secretária nacional da juventude, Jayana Nicaretta da silva, e do diretor de promoção e fortalecimento dos direitos da criança e do adolescente, Washington de Sá.