navegue nos blocos da capa

Opinião

Criciúma tem curso superior público e gratuito e pode ter mais

Câmpus passará a oferecer o curso de Engenharia Civil a partir do primeiro semestre de 2018

06
MAR
2017
| 07h00
07h00
Redação
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Lucas Dominguini *

Em artigo publicado na última quinta-feira (2) no Portal Engeplus, o economista Ademar José Fabre faz uma pertinente reflexão sobre a importância do ensino superior público e gratuito em Criciúma, trazendo dados sobre o desenvolvimento econômico e sobre a concentração de estudantes de ensino médio, que justificam a existência de estabelecimentos de ensino público e gratuito na região carbonífera.

A reflexão é muito importante porque toca num ponto fundamental, qual seja, a necessidade de nossa região ser atendida cada vez mais pela rede federal de ensino superior. Cabe, porém, um esclarecimento ao artigo.

Embora o autor se refira a universidades, cabe esclarecer que Criciúma já possui uma instituição federal de ensino que oferece cursos superiores públicos e gratuitos. Essa instituição é o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), que em Criciúma possui um de seus 22 câmpus espalhados em 20 cidades catarinenses.

Fundado em 2010, o Câmpus Criciúma do IFSC surge a partir da segunda etapa do plano de expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, iniciado em 2007 pelo Ministério da Educação. Entre os critérios que nortearam a expansão na rede, a distribuição territorial, a cobertura do maior número possível de mesorregiões e a relação com os Arranjos Produtivos Locais fizeram com que Criciúma recebesse uma unidade do IFSC.

Em março de 2008, a comunidade indicou, em audiência pública, alguns cursos que seriam de interesse regional, de modo a formar mão de obra qualificada para a indústria de nossa região. Neste sentido, hoje o Câmpus Criciúma atua em três eixos: Edificações, Química e Mecatrônica / Eletrotécnica.

O Câmpus Criciúma oferece cursos técnicos em Edificações, Mecatrônica e Química, na modalidade integrada ao Ensino Médio, e cursos de Edificações e Eletrotécnica para quem já concluiu o Ensino Médio, além de uma gama de cursos de qualificação profissional de curta duração.

Dentro dos eixos tecnológicos definidos, o Câmpus Criciúma oferece ainda o curso superior de Licenciatura em Química, atendendo à missão da instituição de formar docentes em áreas em que há carência de profissionais, e o curso de Engenharia Mecatrônica. Ambos os cursos têm entrada anual de 40 alunos, metade pelo vestibular e metade pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A formatura das primeiras turmas ocorrerá em 2019.

A estes dois cursos, somar-se-á a terceira graduação do IFSC em Criciúma. O Câmpus passará a oferecer o curso de Engenharia Civil a partir do primeiro semestre de 2018, com processo seletivo a ser realizado no segundo semestre deste ano, de modo que os três eixos tecnológicos serão "verticalizados", com ofertas tanto de cursos técnicos quanto de cursos de graduação.

A oferta da Engenharia Civil já foi aprovada pelo Conselho Superior do IFSC (Consup) em 2016 e, neste momento, o projeto pedagógico encontra-se em fase de validação nas instâncias internas da instituição.

Em breve, portanto, teremos não apenas dois, mas três cursos superiores da rede federal, publicos e gratuitos, a atender a demanda tão bem apontada no artigo com o qual estamos dialogando. Isso representa não apenas oportunidades para nossos jovens, que podem permanecer na região após a conclusão do Ensino Médio, e mesmo para estudantes que vêm de outras localidades do Brasil residir em Criciúma e estudar em nossa instituição. Representa também um investimento público na cidade.

O orçamento do IFSC Câmpus Criciúma em 2016 foi de aproximadamente R$ 11 milhões, sendo que 70% foram destinados à folha de pagamento. A execução financeira foi de R$ 3,385 milhões, divididos em R$ 1,17 milhão para capital, R$ 1,6 milhão para custeio e R$ 611 mil para a assistência estudantil. É um recurso que, de diferentes maneiras, acaba sendo revertido para Criciúma.

Contamos atualmente com 63 professores, a grande maioria mestres, doutores e com pós-doutorados, e 41 servidores técnicos administrativos. No momento, estudam nos diferentes cursos aproximadamente mil alunos, sendo que o Câmpus Criciúma do IFSC já formou 1,5 mil alunos desde sua fundação.

Recentemente, em fevereiro passado, realizamos a nossa maior formatura até então, entregando à sociedade 151 técnicos e técnicas em Edificações, Mecatrônica e Eletrotécnica.

Estamos trabalhando por mais. No momento, a direção do Câmpus Criciúma estuda a viabilidade da ampliação física da instituição, com a construção de um novo bloco, justamente para atender a oferta do terceiro curso de graduação. Em breve, esperamos ter novidades, não apenas com relação à ampliação física do Câmpus, mas quanto à oferta de um novo curso de graduação, federal, público, gratuito e conectado às demandas sociais e econômicas da região carbonífera.

Um panorama do Câmpus pode ser visto no vídeo institucional que finalizamos no começo deste ano neste endereço.

* Lucas Dominguini é doutor em Engenharia Química (2015) pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em Educação (2010) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) e licenciado em Química (2005), com habilitação em Química e Física, pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). É professor e diretor-geral do câmpus Criciúma do IFSC.

LEIA TAMBÉM
Dez razões para pleitear o ensino universitário público em Criciúma e região
 

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Saer Sul vai receber nova aeronaveCinco praias paradisíacas para visitar no BrasilAberta oficialmente a 10ª Vindima GoetheRecreação inspirada no teatro encanta criançasTrânsito alterado na Avenida CentenárioVindima Goethe começa nesta sexta-feira