InternetData CenterAssinante

Dona Dirce Savi se foi e Deus está feliz por tê-la mais perto

Mulher extraordinária, fraterna, amorosa e solidária como poucos
Por Aderbal Machado Em 22/12/2020 às 09:47

Dona Dirce Savi, de família tradicional e pioneira de Criciúma, foi uma das pessoas mais extraordinárias que conheci. Ela faleceu hoje, após longa enfermidade. Anfitriã imbatível, elo central da família, viveu dando exemplos de fraternidade, amor e solidariedade. Ficam as saudades dos encontros de final de ano, que só ela sabia promover, acolhendo a todos, filhos, netos, genros, noras e nós, seus amigos. E amizade e carinho eram suas matérias-primas. Deus deve estar muito feliz por tê-la mais perto.

Suas confraternizações reunindo a família e alguns amigos, nos finais de ano, no seu apartamento da rua Henrique Lage e na casa da Praia do Rincão, onde ela fazia tudo, com uma criatividade e zelo inigualáveis eram esperadas com ansiedade. Artesã de mão cheia, suas peças são de uma originalidade impressionante, mas ela usava isso para presentear amigos e familiares, não para comercialização. Viveu com Aci, seu marido também já falecido, a saga da formação de uma das estruturas familiares mais sólidas e exemplares que já vi.

Sob o imenso privilégio de ter convivido com ela e ter merecido dela consideração e carinho me fazem premiado em vida. No meu coração ela está vívida. 

Esta homenagem eu a faço e muitos dos que a lerão não saberão quem foi Dirce Savi, vinculados a uma época maluca e célere de poucos discernimentos. Devem saber que perderam uma das maiores oportunidades de conhecê-la e absorver os eflúvios benfazejos de seu espírito único.

Sua bênção, Dirce. Descanse em paz.