InternetData CenterAssinante

José Antônio Kunz: o poder da música e o projeto Funk You

DJ e produtor de 29 anos encontrou na música uma nova forma de trabalho
José Antônio Kunz: o poder da música e o projeto Funk You
Foto: Thiago Hockmüller
Por Rafaela Custódio Em 28/12/2018 às 10:30

José Antônio Kunz, de 29 anos, atualmente é destaque na música da região Sul de Santa Catarina. DJ e produtor, ele faz em média 30 shows por mês. Na área há 12 anos, ele começou com música eletrônica e hoje tem o projeto Funk You. 

Kunz lembra que buscou ser DJ desde dos 12 anos quando seu pai o levou a uma casa noturna, em Içara. Além disso, ele conta que no início da carreira tocava apenas por diversão. “Entrei em uma festa aos 12 anos e sabia que minha profissão seria ser DJ. Caminhei e lutei muito para chegar onde estou. Meus pais sempre me apoiaram e essa foi a diferença na minha carreira. Mas no começo tocava nas festas por alegria, muitas vezes não recebi e meu pai me chamou e conversou sobre essa questão e, aos poucos, fui aprendendo ainda mais sobre valores, por exemplo”, declara. 

Atualmente, ele é conhecido pelas mixagens de funk e, principalmente, por trazer ainda mais alegria as festas. “Gosto de todos os estilos musicais. No início da minha carreira, tocava eletrônica, mas notei que o funk estava crescendo. Acreditei e mudei o estilo”, explica. 

“Não entrei na música por dinheiro, entrei para trazer felicidade às pessoas”

Kunz estuda diariamente para seguir na profissão. “Estudo quatro horas diárias. Realizo as mixagens de músicas, faço pesquisas sobre produção, enfim, busco me aperfeiçoar todos os dias. Não consigo chegar em uma casa noturna e subir no palco, preciso chegar uns minutos antes na festa e analisar o público. Gosto de saber como as pessoas vão me receber, como elas estão na noite, enfim, cada detalhe faz com que minhas performances em cima do palco sejam diferentes”, comenta. 

Ele ressalta que sempre buscou público para as casas noturnas da região. “Trabalhava em uma empresa e nunca deixei de fazer lista de convidados, por exemplo. Sempre chamei público, sempre fiz questão de divulgar eventos. Sempre me empolguei com esse trabalho. Subi degrau por degrau para chegar onde estou. Muitas pessoas só enxergam o presente, mas o passado muita gente não sabe”, destaca. 

Projeto Funk You e o sustento de famílias 

Kunz traz em suas apresentações o projeto Funk You. A ação foi desenvolvida por amigos, ele abraçou a causa e está nos palcos da região Sul levando funk e diversão. “Saí da música eletrônica para o funk. Foi uma mudança muito grande. Mas acreditei no projeto e deu certo. Atualmente, além de mim, três pessoas trabalham no projeto. Elas atuam no marketing, produção e agenda”, explica. 

Ele lembra que um dos seus funcionários já havia trabalhado com ele. “Quando eu era empregado em uma empresa, conheci meu produtor, Fábio Lima, o Baiano. Sempre falei para ele que trabalharíamos juntos e deu certo. Ele viu meu esforço lá atrás. Hoje, ele me ajuda muito. Me conhece muito, conhece meu trabalho e tem a minha confiança”, relata. 

O DJ comenta que após seis anos, este ano foi o primeiro Natal que passou com a família. “Há seis anos não passo datas comemorativas de fim de ano com minha família. Esse ano consegui me programar e jantar com eles. É bom ser DJ, é bom tocar em festas, mas existe o pós festa. Deixo minha família para ir animar as pessoas”, comenta. 

Acidente de carro 

Kunz recorda que sofreu um acidente em fevereiro deste ano. “Tinha cinco shows naquele dia. Estava exausto e acabei perdendo o controle do carro que estava dirigindo. Nesta época repensei minha carreira”, admite. 

“Todos os shows possuem horário e um tempo para ficarmos no palco. Cada minuto conta muito, porque se tenho duas apresentações na noite, vai fazer diferença. Mas muitas pessoas não entendem isso”, afirma.

Família

Kunz é o filho mais velho de José Antônio e Elizabeth . “Meus pais são minha base. Eles me apoiaram desde o começo. Me incentivaram e mostraram que eu podia. Minha mãe era funcionária pública e meu pai era da Polícia Militar (PM) e em nenhum momento me deixaram desamparado”, conta. 

A esposa de Kunz também trabalha com ele. “Minha esposa, Carina Damasio está todos os dias ao meu lado, me apoia muito. Me ajuda com agenda, divulgação, enfim. Ela está comigo para tudo”, declara. Além disso, o irmão, Fábio Kunz também está na equipe do projeto Funk You. 

Futuro 

Ao ser questionado sobre o futuro, Kunz foi enfático. “Quero tocar pelo mundo. Já alcancei muito, mas quero mais. Não posso parar. Quero produzir muito ainda”, revela. “Tenho um projeto de tocar para pessoas nas ruas e espero concretizar essa ação”, acrescenta. 

Kunz ainda acredita que o funk continuará crescendo. “É um estilo musical que veio para ficar. Acredito que existirá gêneros dentro do funk, um ritmo mais acelerado, outros não, por exemplo”, comenta. “É preciso acreditar em seus sonhos. Todo mundo pode chegar onde quiser”, finaliza.