InternetData CenterAssinante

O sucesso do futebol daqui: SC 7 x 1 Brasil

Trabalho dos clubes e da FCF é valorizado em revista de circulação nacional
O sucesso do futebol daqui: SC 7 x 1 Brasil
Foto: Reprodução / Superinteressante
Por Denis Luciano Em 01/03/2017 às 10:34

Santa Catarina, o Estado brasileiro com futebol europeu. É assim que a edição de março da Revista Superinteressante, de circulação nacional, chama para reportagem sobre o atual momento do futebol catarinense. Embora seja um dos personagens, o Criciúma não é o protagonista da abordagem, papel destinado à Chapecoense.

O texto inicia contando que Sandro Pallaoro, presidente da Chape falecido na tragédia de novembro passado, estava no Mineirão assistindo a derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1, na Copa de 2014. “Faltava identificação entre Seleção e time”, teria dito, na ocasião, o dirigente. Nos últimos tempos, Pallaoro viajava o Brasil contando a fórmula de sucesso do Verdão do Oeste, que consistia em folha enxuta, rigor no orçamento e multiplicação de sócios. Entre os pilares do sucesso do futebol barriga verde são citados, ainda, investimento em infraestrutura, rivalidades regionais, Federação investindo no Estadual e valorização das categorias de base.

Um trecho que faz menção ao Criciúma diz:

“Atônito á beira do gramado, o protagonista da maior conquista do futebol catarinense até então estava derrotado. Luiz Felipe Scolari, campeão da Copa do Brasil pelo Criciúma em 1991, procurava uma justificativa para o vexame. E o 7 a 1 era o fim de Felipão na Seleção. O improvável título com a equipe catarinense 23 anos antes tinha sido o começo”.

O ex-jogador e ex-técnico do Tigre, Roberto Cavalo, também é citado. “Foi o trabalho com o Criciúma que fez com que ele chegasse lá”, disse Cavalo à revista, referindo-se a Felipão.

SC ainda ganha
pouco da TV

A matéria da Superinteressante, que tem chamada de capa, lembra, ainda, que Santa Catarina é o Estado com maior percentual de clubes nas séries A e B do Brasileiro e que, mesmo assim, os dois catarinenses da Série A em 2017 receberão, somados, pouco mais de um quarto do que é pago aos mais cotados. O papel da Federação Catarinense de Futebol é valorizado. A atuação do ex-presidente Delfim Pádua Peixoto Filho no incremento da arbitragem é realçada pelo atual presidente, Rubens Angelotti, como “o maior legado que ele deixou”.

Na revista consta, ainda, uma linha do tempo com a evolução do futebol no Estado começando com o título de 91 do Criciúma, passando por conquistas nacionais do Tigre, Avaí e Joinville, mais as revelações de atletas do Figueirense e JEC. Até as recentes aparições do Metropolitano e do Almirante Barroso são destacadas.

As torcidas que
dominam nas regiões

Em forma de gráfico, a publicação apresenta as torcidas em cada região. No Sul, o Criciúma é o clube de 67,5% dos torcedores. No Oeste, dá Chapecoense para 65,5%. No Norte, o Joinville é o preferido de 55,5%. No Vale do Itajaí, Avaí na frente com 47,6%, e também na Serra, com 58,2%. Na Grande Florianópolis, lidera o Figueirense, com 53,3%. Em diversos momentos, a reportagem faz comparações entre o nosso Estado e a Europa. Cita, por exemplo, o forte trabalho de análise de desempenho de forma pioneira. “Em Santa Catarina, os ventos do Velho Continente sopram a favor do futebol”, conclui.