navegue nos blocos da capa

Mídia

The Voice Brasil

Estou muito feliz. É muito gratificante estar lá, diz Gabriela Ferreira

Gabriela Ferreira inscreveu vídeo no último dia e não acreditava que seria escolhida

17
NOV
2016
| 10h38
10h38
Cyntia Amorim
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
douglas saviato

Se o ditado “os últimos serão os primeiros” fosse mesmo verdade, a criciumense Gabriela Ferreira, que passou nas audições do The Voice Brasil e, na última semana, na segunda fase do programa (as batalhas), já estaria garantida para a final do reality. A jovem, que tem apenas 17 anos, conta que enviou seu vídeo no último dia de inscrição, seguindo o conselho de amigos e familiares.

“Todos diziam para eu tentar. No último dia de inscrição resolvi fazer um vídeo, que por sinal ficou horrível, na minha opinião. Pensei ‘agora se alguém me perguntar o porquê não me inscrevo para o The Voice posso dizer que já tentei, mas sou ruim e não passei’. Mas o resultado não foi esse e fiquei muito surpresa quando me ligaram de volta”, conta.

Antes de ir para as audições às cegas, Gabriela passou por uma seletiva em Porto Alegre.

“Fiz o teste e novamente pensei que não me ligariam. Mas aquilo não parava, eles continuam me chamando. Encarei tudo bem tranquilamente, sempre achando que era mais uma brincadeira. Minha mãe me ajudava nisso”, comenta.

O início de tudo – Vocação que surgiu aos 8 anos de idade no coral da escola, a jovem diz que sempre foi muito ativa e gostava de imitar cantoras americanas.

“Fiz parte de uma banda infantil na escola também. O meu professor de música da época sempre perguntava para minha mãe as referências musicais em casa, porque eu tentava imitar os agudos das cantoras”, lembra.

A batalha – Na última quarta-feira Gabriela passou na segunda etapa do programa. Ela conta que a batalha é mais difícil que a audição porque os laços de amizade estão mais fortes.

“Estou muito feliz. É muito gratificante estar lá. Mas com o passar da competição a gente vai se apegando aos outros cantores. A Sih, que foi a menina que cantou comigo na batalha, é uma pessoa incrível e ficamos muito amigas. Só consegui ficar 100% feliz quando eu vi que ela continuou na competição”.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Câmara x Prefeitura: É paz e amor ou não é?Impressões em 60 minutos - Hyundai Creta Prestige – 2017Um paraíso chamado Farol da SolidãoA promessa de um adversário complicadoFormaturas neste dia 20/02Mais de dois mil enfrentam o calor para ver o Tigre