navegue nos blocos da capa

Memória

Há 25 anos

O Sul de SC no impeachment de Collor

29
SET
2017
| 09h30
09h30
Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Há exatos 25 anos os deputados Eduardo Moreira (PMDB), Jarvis Gaidzinski (PL) e Ruberval Pilotto (PDS), representando o Sul de Santa Catarina, eram três dos 441 votos favoráveis à abertura do processo de impechment do presidente Fernando Collor de Mello (PRN). Em 29 de setembro de 1992 a Câmara dos Deputados realizava a sessão histórica com a votação que selava o destino do primeiro presidente alvo de impeachment no Brasil e América Latina.

Eleito presidente em 1989, o primeiro no voto desde 1960, Collor de Mello suplantou Lula da Silva (PT) no segundo turno da eleição com 42,7% contra 37,8% sob a bandeira do “caçador de marajás” e do governo para os “descamisados”. Implantou o polêmico Plano Collor, pelo qual bloqueou recursos das contas bancárias dos brasileiros. Extinguiu órgãos do governo e privatizou empresas.

A denúncia do irmão

Exerceu um mandato pirotécnico a partir de março de 1990, com suas práticas esportivas para as câmeras e discursos contundentes, de punho cerrado. Logo isolou-se, perdendo gradualmente base no Congresso, fruto também da fragilidade de seu pequeno Partido da Reconstrução Nacional (PRN).

Em maio de 1992 a Revista Veja publicou denúncias de seu irmão, Pedro Collor, que acusava a existência de um esquema de corrupção liderado pelo tesoureiro de campanha do presidente, Paulo César Farias. No mês seguinte o Congresso instalou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que em agosto emitiu relatório acusando o presidente de corrupção e crime de responsabilidade, culminando com a votação de 29 de setembro.

A renúncia

Instalado o processo no Senado, o vice-presidente Itamar Franco (PRN) assumiu o governo em 2 de outubro de 92, tornando-se presidente efetivo a partir de 29 de dezembro, com a renúncia de Collor. Ele perderia os direitos políticos por oito anos e voltaria à cena como senador por Alagoas, em mandato que exerce até hoje.

Como SC votou

Dos 16 deputados federais de Santa Catarina, 15 votaram pelo impeachment de Collor. O único voto contrário foi do deputado Nelson Morro (PFL), um dos 38 a ficar com o presidente na votação. Houve ainda, além dos 441 votos favoráveis, 23 ausências e uma abstenção.

Além de Moreira, Gaidzinski e Pilotto, a bancada catarinense votou pelo impeachment com os deputados Ângela Amin (PDS), Cesar Souza (PFL), Dejandir Dalpasquale (PMDB), Dércio Knopp (PDT), Hugo Biehl (PDS), Luci Choinacki (PT), Luiz Henrique (PMDB), Neuto de Conto (PMDB), Paulo Bauer (PDS), Renato Vianna (PMDB) e Vasco Furlan (PDS).

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
 Torcida satisfeita com o resultado em casaEquipe de handebol da Satc garante bons resultados em 201790 Anos de Rosa Maria Marques Sandrini Eventos marcam aniversário de 61 anos de Lauro MüllerCruzamento fechado para manutenção em CriciúmaVindima Goethe: celebração evidencia as mãos que colhem