navegue nos blocos da capa

Longe de Casa

Voluntariado

VÍDEO: Quando Criciúma faz escola no Timor Leste

Criciumense usa transmissão de rádio e o Tigre para ensinar mais

15
MAR
2017
| 21h28
21h28
Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

“Ole, ole, ole, ole, Têgre, têgre”. O canto, em um português arrastado para o tetun, ecoou nas montanhas de Aileu na manhã de quinta-feira, enquanto o Criciúma enfrentava o Fluminense no estádio Giulite Coutinho, no Rio de Janeiro. Fruto do fuso horário, que coloca o sudeste da Ásia doze horas à frente do Brasil.

O curioso triângulo transoceânico teve como pivô o professor Ricardo Medeiros, 38 anos. Criciumense, Medeiros reuniu 22 meninos de um projeto social e esportivo no Timor Leste para ouvir o jogo do Tigre pela Rádio Eldorado. “Eles não conhecem narração esportiva aqui, então colocamos a transmissão da Eldorado para as crianças”, conta Ricardo, enquanto o narrador Mário Lima transmitia as emoções da partida.

São meninos de 12 a 14 anos, bastante carentes, como muito carente é a grande maioria da população do Timor, antigo território da Indonésia que tornou-se país em 2002, após sangrenta guerra civil. “Aqui falta tudo. Eles não tem água tratada, nem saneamento básico”, conta Medeiros.

Pela Associação Projeto Montanha, que é a obra social de uma ONG do Timor fundada pelo casal brasileiro Eduardo e Gisele Trucco, os meninos conheceram, faz pouco, itens básicos da nossa rotina. “Essas crianças nunca tinham tomado banho quente em um chuveiro elétrico. Conheceram isso faz pouco”, relata o criciumense.

Inclusão e
dignidade

No projeto, a meninada do Timor, com instrutores e voluntários brasileiros, conta com alimentação, aulas de português, higiene e entretenimento com jogos de tabuleiro, além dos treinos de futebol ministrados por Ricardo Medeiros.

“A subnutrição é infelizmente frequente aqui, e as aulas são necessárias pois, embora o português seja o idioma oficial, a maioria fala tetun, e os jogos usamos para desenvolver o raciocínio deles”, conta o criciumense. E tem talentos no futebol também. Como Ércio, de boné, que é professor de Educação Física sem formação e aparece no lance abaixo filmado por Ricardo orientando os meninos. "Estamos preparando ele para ajudar como técnico", conta.

Faz um ano que Ricardo deixou Criciúma, com a esposa e os filhos, para se dedicar à nova vida, ajudando na construção do Timor Leste. “Com saudades aí, mas felizes por servir aqui”, conclui. E a meninada lamentou a eliminação do Tigre. Mas aprendeu mais sobre nós, e o Brasil.

 

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Criciúma lança uniforme para a Série BPalestra de Celso Bandeira encerra 18ª Conferência da AdvocaciaPolícia elucida homicídio de jovem em frente a casa noturnaO carro encontrou o caminho errado no CentroCadeiras são reformadas para atletas do Handebol sobre rodasMuseu de Zoologia da Unesc lança cartilha para professores