InternetData CenterAssinante

Masterchef: a gastronomia dentro de casa

Boa mesa nos encontros de família e amigos
Masterchef: a gastronomia dentro de casa
Foto: Saimon Novack
Por Andressa Fabris Em 27/08/2019 às 11:39

Mesmo sem a audiência esperada, o Masterchef Brasil movimentou a noite do último domingo com a final do reality show. Na quinta-feira anterior, um dos jurados, Chef Fogaça, atraiu cerca de 700 pessoas ao Palazzo Delle Acque, em Nova Veneza, em um evento comemorativo aos 40 anos da Rede Bistek de Supermercados. Celebridades televisivas sempre mobilizam bom público, mas saber mais sobre preparo de pratos e a rotina de um chef famoso também foi motivo para as pessoas se deslocarem para a capital nacional da gastronomia típica italiana.

Crédito: Marcone Tavella/All Press Comunicação

Comida e a relação entre as pessoas

Este movimento em torno da comida tem a ver com uma mudança no estilo de vida brasileiro. A antiga arte culinária deu lugar à gastronomia, mesmo dentro de casa. Para Henrique Fogaça, o reality show contribuiu para isto. “Acredito que o Masterchef pode abrir as portas para mostrar um pouco da gastronomia, das riquezas que temos aqui no país, da relação da comida com a família, os amigos, de compartilhar, de estar junto. O programa trouxe muita força para unificar tanto a gastronomia como a relação entre as pessoas”, acredita. 

Estreitar os laços de amizade é justamente o que motiva a empresária Andréa Valvassori a realizar com frequência confraternizações em sua casa. Há nove anos, ela promove os encontros entre dois grupos de amigos com jantares temáticos. “Eu adoro decoração, mesa posta e festas temáticas. Eu invento e todo mundo abraça. É muito legal a participação de todos”, conta. 

 

Compartilhar momentos e a conta

Em alguns jantares, a própria Andréa prepara os pratos, mas não é rara a contratação de um chef. O hábito de trazer alguém de fora para preparar os pratos foi adotado há cerca de seis anos. Andréa explica que fica mais prático e, muitas vezes, a festa gira em torno do cardápio escolhido. “Ter alguém cozinhando deixa tudo mais aconchegante. O legal é que é tudo compartilhado: cada um leva o que vai beber e as despesas com comida são divididas. Assim fica fácil e podemos nos reunir com mais frequência”, acredita. 

 

Do hobby à profissão

Saimon Novack é um dos chefs contratados com frequência na casa de Andréa. Jornalista por formação, a gastronomia chegou na vida dele como hobby e por isso prefere o título de cozinheiro. Atuando principalmente na região Sul de Santa Catarina, Novack foi um dos grandes beneficiados por este movimento de levar gastronomia para dentro das casas mesmo nos encontros mais simples.

Quatro anos atrás, ele fez seu primeiro grande evento, um casamento com 50 convidados para o qual foi contratado 15 dias antes da festa. Na época, não tinha nem panelas para o preparo dos alimentos e fez tudo com a ajuda da esposa e de uma auxiliar. “Até o oitavo evento, eu preferia indicar alguém profissional. Depois pensei: já tenho panelas e tudo, por que não assumir?”, conta.

 

Sofisticação e praticidade

Do primeiro evento sem panelas à uma rotina de, no mínimo, três jantares por semana para as chamadas confrarias. “São pequenos grupos, de 10 a 20 pessoas, a maioria mulheres, que querem se reunir com mais conforto”, explica. Há dois anos, Saimon Novack se dedica exclusivamente à gastronomia, preparando desde pequenas recepções a grandes eventos. Foi ele quem esteve ao lado do chef Fogaça na comemoração dos 40 anos da Rede Bistek. 

Além do conforto e da praticidade, Novack acredita que o que leva as pessoas a contratarem é a busca por sofisticação. “O que conquista é o conjunto, o sabor, a gente deixar a cozinha impecável no final e a apresentação dos pratos”, entende. A apresentação, por sinal, é um dos diferenciais de Novack. “Eu sempre ouço as convidadas falarem: o que será que ele aprontou hoje? Isto me obriga a fazer sempre diferente, a gerar uma nova experiência. O sabor gostoso é obrigação, o diferente vai estar na forma de servir”, conta.