InternetData CenterAssinante

Dia do médico: HSJosé é um importante aliado na formação de profissionais

Instituição é reconhecida por ser local de aprendizado aliado à tecnologia e humanização
Dia do médico: HSJosé é um importante aliado na formação de profissionais
Por Redação Engeplus Em 18/10/2021 às 07:58

Em 85 anos de história, o Hospital São José de Criciúma já conheceu de perto a história de grandes médicos que deixaram um legado de atenção à saúde, cuidado, comprometimento e humanização pelos corredores da instituição. Em quase oito décadas, muitas histórias se cruzaram e fizeram com que a entidade se tornasse reconhecida pela formação de profissionais, graças ao programa de residência médica, mas também por ser um local de muito aprendizado sempre aliado à tecnologia e o cuidado com o próximo.

Foram esses alguns dos fatores que fizeram com que o médico Felipe Antônio Cacciatori (CRM – 26528) iniciasse sua carreira profissional no HSJosé. “A medicina não foi a minha primeira escolha. Achava que não tinha afinidade nenhuma com a área. Nasci em Urussanga, meu pai é mineiro aposentado e minha mãe agricultora aposentada, mas mesmo aposentada, depois de um tempo, ela precisou voltar a trabalhar na saúde. Por isso essa área sempre esteve presente ao longo da minha vida, mais por conta da minha mãe”, conta dr. Felipe.

Segundo ele, sempre cursou escola pública em Urussanga e quando saiu do ensino médio, fez administração de empresas. “Inclusive me formei. Foi um caminho natural, era uma área que eu enxergava como abrangente e resolvi seguir esse caminho, mas nunca me encontrei, na verdade. No meu último ano de administração, meu pai sofreu um acidente de trânsito e faleceu e na época fui muito curioso de saber o que tinha acontecido, fui ler mais sobre o assunto e acredito que aquilo despertou em mim, algo que já me intrigava desde o começo, que é a assistência ao doente, o atendimento a quem precisa. Por conta da minha mãe e por esse evento que aconteceu com o meu pai, foi o gatilho para que eu concluísse a faculdade de administração, continuasse estudando por um ano no cursinho até entrar na faculdade de medicina na Unesc”, explica o médico.

No trajeto até a conclusão do curso de medicina, o caminho do então estudante foi cruzado com o HSJosé. “Minha vontade sempre foi ficar por aqui na nossa região e ao longo da faculdade temos muito contato com o Hospital São José. Sempre tive estágio desde o início da faculdade e eu sempre vi o HSJosé como um grande hospital que serve e abraça toda a região. Em alguns estágios que fiz fora ou conversando com colegas em congressos, consegui perceber que o hospital atende complexidades tão grandes quanto hospitais de grandes centros que são referência. O que dá a ele um grande potencial e isso fez com que eu me interessasse em participar de tudo isso, em participar desse serviço que sempre foi referência para mim”, aponta o médico.

Por isso, de acordo com o profissional, foi tão natural escolher fazer a residência no Hospital São José. “Na época, avaliando todas as possibilidades, vi que o nosso serviço de cirurgia geral, que foi a residência que eu escolhi, não perdia em nada para os grandes centros, por isso optei também por cursar a residência aqui. Passei em outros lugares, mas escolhi o HSJosé. O nível de investimento que o hospital faz em si mesmo, desde o centro cirúrgico, setor de imagem cada vez crescendo mais, todas as especialidades clínicas que o hospital oferece permite que se trate o paciente de uma forma totalmente abrangente, humanizada, sem precisar ficar esperando que algum outro serviço complemente algo que foi iniciado aqui. Isso tudo proporciona muito aprendizado para os colegas residentes”, explica.

Além de médico e residente do terceiro ano do serviço de cirurgia geral, dr. Felipe também atua como médico do serviço de urgência e emergência da instituição. “Também fui convidado a trabalhar como médico no pronto-socorro e ali também é uma grande escola. Lidamos com todos os tipos de patologia, não só se cirurgia, mas também clínica. Essas experiências são essenciais não só para a minha formação como cirurgião, mas também para a vida pessoal. Para o meu futuro, mesmo que precise ir buscar uma outra especialização em um outro hospital, minha vontade é que eu possa voltar ao Hospital São José e continuar aqui o meu trabalho”, afirma.

Experiência compartilhada na instituição

Não só para aqueles que estão iniciando a profissão, como é o caso do dr. Felipe, mas também para os que construíram uma carreira de sucesso, como a responsável pela Unidade de AVC do HSJosé e diretora clínica da instituição, Dra. Gisele de Medeiros (CRM-8552 | RQE-3024), o hospital é um local importante para a construção de toda uma trajetória profissional.

“Minha história com o Hospital São José é bem mais velha que a minha atuação como médica. Comecei a circular pelo Hospital desde os cinco anos de idade, quando meu pai, que era neurologista (o primeiro da cidade), trabalhava aqui no hospital e onde foi Diretor Clínico por duas vezes. Participava de teatros promovidos pelas Irmãs e também estava presente em todas as datas festivas. Sou médica neurologista atuando no Hospital desde 1999”, comenta dra. Gisele. “Ser médica no HSJosé é sempre estimulante, nunca há tédio. Desenvolvemos aqui inúmeras habilidades: ouvir, conversar, zelar, ajudar. A interação com a equipe é revigorante, ouvir as histórias dos pacientes nos faz mais próximos deles, e com isso podemos ajudar melhor no tratamento. E é revigorante dar alta para um paciente e ver que ele se recuperou. Participamos também de projetos de orientação e conscientização de diversas enfermidades”, complementa a especialista.

Com a experiência adquirida na instituição, dra. Gisele reforça que a primeira qualificação para o médico é a Esperança. “É por isso que deixo meus parabéns a todos os médicos que se dedicam e acreditam na importância e na beleza de nosso ofício, que vencem a maioria das batalhas contra as doenças, que continuam a se emocionar com cada vida salva ou uma dor aplacada, ou mesmo com a dor da perda de um completo estranho. E, a despeito das noites mal dormidas, do estresse elevado, da privação da família e do envelhecimento antecipado, continuam de prontidão para a luta diária, fazendo o seu melhor”, garante.

Importância da presença médica

De acordo com a diretora do HSJosé, Irmã Isolene Lofi, para uma Instituição de saúde a presença médica é muito importante. “Temos certeza de que os valores e respeito à vida, o tratamento humanizado nas relações interpesssoais e acolhida destes profissionais fazem a diferença na vida de muitos dentro da Instituição. Para os médicos novos poder fazer parte desta instituição com uma complexidade tão grande, é de muito aprendizado. E para aqueles que escolheram fazer parte e fazem da sua profissão a realização do que escolheram, são aqueles(as) que se sentem imbuídos dos valores institucionais, deixando a marca por onde passam e contribuem para o bem e crescimento do São José. Isto é bênção e graça. E esta experiência contribui muito para os que estão chegando. O que desejo é que neste dia de São Lucas possam ser abençoados e que nunca percam o motivo primeiro que os levou a ser profissional da saúde”, conclui a diretora.

Saiba mais - Atualmente o Hospital São José de Criciúma conta com um corpo clínico formado por 324 médicos, além de 51 residentes das áreas de anestesiologia, cirurgia geral, clínica médica, ortopedia e traumatologia, medicina intensivista.