InternetData CenterAssinante

Criciúma tem carreata a favor da vacinação e contra presidente Jair Bolsonaro

Manifestantes também pediram pelo retorno do auxílio emergencial
Criciúma tem carreata a favor da vacinação e contra presidente Jair Bolsonaro
Foto: Lucas Renan Domingos/Portal Engeplus
Por Lucas Renan Domingos Em 23/01/2021 às 18:35

Este sábado, dia 23, foi marcado por carreatas a favor da vacinação da Covid-19 e contra o presidente Jair Bolsonaro. O ato, que aconteceu em diferentes cidades do Brasil, também ocorreu em Criciúma durante a tarde. No município, os manifestantes se encontraram no bairro Santa Luzia e depois seguiram em direção ao Parque das Nações.

O protesto foi convocado por movimentos sindicais e recebeu apoio de movimentos sociais, estudantis, de juventude e também de partidos de esquerda (PSTU, PCB, PCdoB, PSOL e PT). “Nosso objetivo foi inserir Criciúma nesta manifestação nacional. Esta cidade sempre foi uma referência importante na luta dos trabalhadores, dos movimentos sociais. Portanto achamos fundamental que a gente pudesse estar juntos e nos solidarizar com a luta que acontece hoje no Brasil”, disse o coordenador da Frente Brasil Popular e organizador da manifestação, João Paulo Teixeira.

Além do pedido de impeachment do presidente e da distribuição da vacina, os manifestantes ainda solicitavam a retomada do auxílio emergencial. “Temos que ter esse direito até que a economia se reorganize. No nosso entendimento, não há emprego, saúde e garantia a vida com esse governo que não tem o mínimo de responsabilidade e compromisso com o interesse da população, principalmente dos setores empobrecidos. Neste momento, por conta deste governo insensível, a grande maioria da população não está podendo comer por falta de renda e pelo alto custo e vida”, apontou.

Conforme Teixeira, a realização do ato em Criciúma foi definida somente nessa sexta-feira, dia 22, por conta das chuvas. “Mesmo com toda adversidade foi possível a gente vir para a rua fazer o nosso papel e o nosso trabalho”, completou. A organização do protesto já planeja novas manifestações nos próximos meses.