InternetData CenterAssinante

Baleias Franca são avistadas na Praia da Gamboa, em Garopaba

No último sábado, dia 12 de junho, as gigantes apareceram no litoral sul catarinense
Baleias Franca são avistadas na Praia da Gamboa, em Garopaba
Foto: Divulgação
Por Redação Em 14/06/2021 às 16:50

Foi só anunciarmos que a temporada das Baleias Franca estava para começar 'oficialmente' em julho, que elas resolveram “dar o ar da graça” já no dia seguinte. Sim! No último sábado, dia 12, as primeiras Baleias Franca da temporada 2021 foram avistadas na Praia da Gamboa, em Garopaba, dando início ao período de observação dessas gigantes no litoral sul catarinense.

Não poderia ser em data mais simbólica, justo no Dia dos Namorados. Ainda mais, porque as primeiras a chegar na região, segundo registros anteriores do Projeto ProFranca/Instituto Australis, são grupos que vem para acasalar também. Aos poucos, nas próximas semanas, vão chegando as baleias 'mamães' grávidas para parir seus filhotes e passar alguns meses amamentando-os, até partirem de volta às suas áreas de alimentação. O auge do período de observação costuma acontecer no mês de setembro.

Laguna, Imbituba e Garopaba, cidades que integram o destino de ecoturismo Rota da Baleia Franca, formam a região em que concentra o maior número de baleias franca nesta época do ano. A dinâmica da região ou cidade em que elas mais se concentram tem variado nos últimos anos, mas historicamente, Imbituba tem o maior registro oficial, por isso recebeu o título de Capital Nacional da Baleia Franca.

Na temporada de 2020, por exemplo, houve grande concentração delas na região do Farol de Santa Marta, em Laguna, mais ao sul.

“Em 2021, provavelmente vamos receber a visita das baleias que estiveram aqui em 2018, uma vez que elas retornam para a área reprodutiva a cada 3 anos. Isso nos deixa bastante ansiosos já que 2018 foi a temporada recorde de ocorrência de baleias no sul do Brasil. Mas ainda é muito cedo para tirarmos qualquer conclusão. Nosso monitoramento terrestre terá início em agosto, quando teremos mais informações sobre a ocorrência da espécie na região e aí sim poderemos traçar hipóteses sobre o andamento desta temporada reprodutiva”, ressalta Eduardo Renault, gerente do ProFRANCA.

Colaboração: Rota da Baleia Franca

Leia mais sobre: