InternetData CenterAssinante

Seminário na Unesc vai colocar em evidência as áreas protegidas no Brasil e no mundo

Serão 11 seções, entre oficinas, comunicações, palestras e mesas redondas
Seminário na Unesc vai colocar em evidência as áreas protegidas no Brasil e no mundo
Foto: Divulgação / Unesc
Por Redação Engeplus Em 04/12/2020 às 14:18

A conservação e a reconstrução das áreas protegidas têm ganhado evidência no Brasil e no mundo. Parques, florestas, mosaicos florestais e muitos outros espaços estão sendo tema central de debates, e na 11ª edição do Seminário de Pesquisa em Planejamento e Gestão Territorial (SPPGT) não será diferente. O evento, aberto ao público, ocorre de 17 a 19 de novembro, 100% virtual.

Conforme o professor pesquisador da Universidade e líder da comissão organizadora, Nilzo Ivo Ladwig, a temática se justifica nos diversos setores da sociedade, para fomentar e debater metodologias e inovações tecnológica que possam dar sustentabilidade à vida na terra. A proposta está alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ladwig também explica que o estabelecimento de espaços especialmente protegidos é uma das ferramentas mais utilizadas para a conservação da natureza, um movimento que busca identificar e separar algumas porções do território para o uso da terra e dos recursos naturais. “Assim convidamos para debater e exercitar novas acepções de políticas públicas que possam conduzir ao desenvolvimento territorial das áreas protegidas, não somente das Unidades de Conservação da Natureza (UCs), mas reconhecer a importância da proteção das terras indígenas, quilombolas e populações tradicionais”, pontua.

Nos três dias de evento, serão 11 atividades, entre oficinas, apresentações, palestras, mesas redondas e lançamento de livro, momentos conduzidos por pesquisadores especialistas em cada assunto. “O impacto esperado é que instrumentos sejam apresentados e debatidos, para que gerando ações preventivas e normativas que permitam controlar os impactos territoriais negativos dos investimentos público-privados sobre os recursos naturais. Com isso, almeja-se evitar a subutilização e a degradação dos espaços, para imprimir uma maior eficiência das dinâmicas socioambientais de preservação e conservação do patrimônio natural e histórico cultural”, pontua o professor pesquisador.

As inscrições podem ser feitas na página do evento (clique aqui). O evento é proposto pelo Laboratório de Pesquisa em Planejamento e Gestão Territorial (LabPGT) da Unesc, em parceria com os programas de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA), Educação (PPGE) e Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS), Laboratório de Arqueologia Pedro Ignácio Schmitz (Lapis) e cursos de Geografia e Engenharia de Agrimensura.

O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) - campus Criciúma, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e os comitês de Bacias do Rio Araranguá e Rio Urussanga também estão contribuindo para a realização.  

Leia mais sobre: