InternetData CenterAssinante

Prefeitura deve publicar nesta quarta-feira edital para contratação de motoristas de ambulância

Ideia é efetivar a contratação inicial de quatro motoristas socorristas
Prefeitura deve publicar nesta quarta-feira edital para contratação de motoristas de ambulância
Foto: Thiago Hockmüller/Arquivo Portal Engeplus
Por Thiago Hockmüller Em 19/05/2020 às 15:08

Com o projeto de lei aprovado na Câmara de Vereadores, a Prefeitura de Criciúma espera efetivar a contratação de motoristas (socorristas) de ambulância até sexta-feira, dia 22. A lei que regulamenta o cargo no município será sancionada assim que chegar ao gabinete do prefeito Clésio Salvaro - a expectativa é que o edital simplificado para contratação destes profissionais seja lançado nesta quarta-feira, dia 20, no Diário Oficial Eletrônico (DOE).

Em entrevista ao Portal Engeplus, o secretário de Saúde, Acélio Casagrande, revelou o desejo de concluir o processo de contratação até sexta, e já no sábado voltar a disponibilizar ambulância para os Centros de Triagem do município. “Assim esperamos. Primeiro chega o projeto, o prefeito sanciona e acho que amanhã publica o edital simplificado para apresentação de currículos”, explicou.

Os currículos serão analisados por uma comissão formada por servidores da Secretaria de Saúde. Embora o projeto permita a contratação de até 16 profissionais, com salário inicial de R$ 1,9 mil, neste primeiro momento serão contratados apenas quatro para condução de uma ambulância já que a jornada prevista é de 12 horas ininterruptas por 36 horas de descanso. 

Além do mais, este é o número de motoristas que atuavam por meio do contrato com a empresa Master Vida Transportes e Atendimento de Pacientes Eireli, que foi rompido após denúncias de irregularidades apontadas pelo Ministério Público (MP). O número de contratações pode aumentar conforme a necessidade gerada pela pandemia do novo coronavírus. Por outro lado, os contratos também podem ser rompidos caso não houver mais a necessidade do serviço. 

“Tem uma comissão que avalia aquilo que é colocado como pré-requisito. Como se fosse um processo seletivo, mas de contrato emergencial. A comissão avalia os currículos que chegarem conforme as exigências, lembrando que são motoristas de ambulâncias socorristas”, explica o secretário de Saúde.

Sobre as vagas

Como pré-requisito para se candidatar a uma das vagas é preciso possuir carteira de habilitação, categoria D ou E; possuir ensino médio completo; ser maior de 21 anos; ter recebido treinamento especializado, nos termos do Código de Trânsito Brasileiro; possuir certificado do curso de Suporte Básico de Vida com, no mínimo, 8 horas; e não possuir pontuação maior ou igual a 21 pontos conforme legislação de trânsito durante os últimos doze meses.

Entre as atribuições, está conduzir veículo destinado ao transporte de pacientes infectados ou suspeitos de Covid-19. Também conhecer integralmente o veículo, estabelecer contato radiofônico (ou telefônico) com a central de regulação médica e seguir as orientações.  

“Conhecer a malha viária local; conhecer a localização de todos os estabelecimentos de saúde integrados ao sistema assistencial local, auxiliar a equipe de saúde nos gestos básicos de suporte à vida; auxiliar a equipe nas imobilizações e transporte de vítimas; realizar medidas de reanimação cardiorrespiratória básica; identificar todos os tipos de materiais existentes nos veículos de socorro e sua utilidade, a fim de auxiliar a equipe de saúde; zelar pela conservação e manutenção do veículo sob sua responsabilidade”, complementa o texto.

Confira aqui a íntegra do projeto de lei aprovado na Câmara de Vereadores.

Leia mais

Câmara aprova projeto que regulamenta contratação de motoristas de ambulância

Centros de Triagem de Criciúma seguem sem ambulância; prefeitura aguarda Câmara votar projeto

Entenda a importância das ambulâncias para os Centros de Triagem; sem elas, CTs podem ser fechados

Prefeitura garante lisura no processo de contratação de motoristas; uma servidora pediu exoneração

MPSC ajuiza nova ação de improbidade administrativa contra Clésio Salvaro