InternetData CenterAssinante

Pesquisa com criciumenses revela equilíbrio entre favoráveis e contrários ao isolamento social

Publico também opiniou sobre a atuação dos governantes nas três esferas de poder
Pesquisa com criciumenses revela equilíbrio entre favoráveis e contrários ao isolamento social
Foto: Unsplash
Por Thiago Hockmüller Em 08/04/2020 às 12:52

Uma pesquisa quantitativa, realizada pela Academia Poliadministrativa Tadeu Comerlatto, ouviu criciumenses para identificar a opinião sobre as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus. Segundo a metodologia, a pesquisa foi encaminhada por meio da internet e 16.739 pessoas receberam o questionário, 1.139 abriram o documento e 353 responderam. 

Entre o público que respondeu a pesquisa, 50,1% é do gênero feminino e 49,6% do gênero masculino. Além do mais, 31,4% possui idade entre 51 a 60 anos; 25,2% entre 41 a 50 anos; 20,1% entre 31 e 40 anos; 15,9% acima de 60 anos; os demais 7,4% estão distribuídos entre pessoas até 20 anos e de 21 a 30 anos. 

A pesquisa traz ainda um panorama sobre os meios de comunicação utilizados para a busca de informações sobre o coronavírus. De acordo com o resultado, 37,1% busca informações por meio da internet; 13,9% pela televisão; 3,7% pelo rádio; e 45,3% por todos os canais (internet, televisão, rádio, jornal impresso).

Isolamento social

Os internautas mostraram ainda uma divisão sobre a medida de isolamento social. Ao responderem sobre a maior preocupação diante do coronavírus, 58,4% mostraram preocupação com medidas preventivas para assegurar a saúde; 32,6% para a preservação do emprego e renda; e 9,1% com a possibilidade de faltar alimento para a população.

Pontualmente sobre a medida de isolamento social, 49,3% consideram a ação favorável apenas para idosos e grupos de risco; 46,5% para toda a população que não trabalha em serviços essenciais; e 4,2% não tem opinião sobre o assunto.

Com relação ao comércio, 38,5% dos entrevistados são favoráveis a aberturas dos essenciais, como supermercado, farmácias, postos de gasolina e padarias; 32,9% por liberar aqueles que queiram trabalhar; 24,1% pela abertura de todo o comércio; e 4,5% pela abertura dos essenciais, mais bares, restaurantes e materiais de construção.

Confira abaixo os itens da pesquisa, inclusive sobre a atuação do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, e prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro.