InternetData CenterAssinante

Números da Defesa Civil de Criciúma mostram aumento de 200% nas ações humanitárias

Até o dia 30 de junho, mais de 20 mil famílias já tinham sido beneficiadas
Números da Defesa Civil de Criciúma mostram aumento de 200% nas ações humanitárias
Por Redação Engeplus Em 02/08/2020 às 15:04

As ações humanitárias da Defesa Civil de Criciúma, desde o início da pandemia de COVID-19, representaram um acréscimo significativo de 200% em suas demandas. Do último levantamento, feito do dia 18 de março até 30 de junho, mais de 20 mil famílias já tinham sido beneficiadas com a entrega de cestas básicas, kits de limpeza, colchões, agasalhos e máscaras de proteção.

O trabalho logístico nas contribuições alimentares vem acontecendo quase todas as semanas. Além da parceria com a Cruz Vermelha e Secretaria de Assistência Social, a parceria com a Equipe Multi-Insitucional está se tornando cada vez mais frequente. Campanhas de doações iniciadas em abril com a Unesc, Acic, UNQ Import Export, Câmara de Vereadores e lives solidárias resultaram em 1.760 cestas básicas, 5.830 quilos de alimentos avulsos, 719 litros de leite, 143 dúzias de ovos, 261 kits de higiene, 3.500 máscaras, 214 cartões de vale alimentação e 60 vale-gás.

Outras atividades também já foram realizadas, como ajuda na coleta de amostras da covid-19 e montagem de centros de triagens junto à Secretária de Saúde; apoio aos carros de som da Secretária de Comunicação com divulgações e orientações preventivas da pandemia; atuação nos danos causados pelo ciclone extratropical e atendimento as mais de 270 denúncias de descumprimento de isolamento social.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, Dioni Borba, a atual situação de anormalidade pode ser vista como uma oportunidade de a equipe colocar em prática o treinamento e capacitação. “Somos acostumados com eventos adversos, mas geralmente são passageiros. Depois que veio a pandemia, uma situação que ninguém conhecia, tivemos que nos adaptar porque além de tudo também existem as ocorrências normais do dia a dia que continuam sendo atendidas”, explicou.