InternetData CenterAssinante

Ney Matogrosso traz o show ‘Bloco na Rua’ a Criciúma

Evento acontece em junho, no AM Master Hall
Ney Matogrosso traz o show ‘Bloco na Rua’ a Criciúma
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 18/02/2020 às 15:45

Os fãs do cantor e compositor Ney Matogrosso já podem se animar: ele se apresentará em Criciúma em junho deste ano. Seu novo show ‘Bloco na Rua’ ganha as estradas do Brasil após ter lotado as primeiras apresentações no Rio de Janeiro. A voz da conhecidíssima ‘Sangue Latino’ sobe ao palco em 10 de junho, véspera de feriado, às 21h30, no AM Master Hall. Informações sobre a venda de ingressos serão divulgadas pela organização em breve. 

Foram pouco mais de cinco anos ininterruptos à frente da turnê "Atento aos Sinais", projeto que passou pelos mais diferentes palcos e arrebatou plateias no Brasil e no exterior. Uma temporada longa até para os padrões de Ney Matogrosso que, como de costume nos últimos anos, testou e amadureceu o repertório antes de lançar CDs e DVD de "Atento aos Sinais". 

Aos 77 anos, Ney não para. Mais uma vez, o novo projeto começará nos palcos para só depois ganhar outros formatos. O repertório foi selecionado enquanto Ney excursionava com o show anterior e o seu critério não foi o ineditismo. “Não é um show de sucessos meus, mas quis abrir mais para o meu repertório. Dessa vez eu misturei coisas que já gravei com repertório de outras pessoas”, pontua o cantor. 

Confira a apresentação de Sangue Latino na última turnê do cantor: 

Sobre o show 

O set list revela a diversidade do repertório: “Eu quero é botar meu bloco na rua” (Sergio Sampaio), de onde saiu o título da turnê; “A Maçã” (Raul Seixas); “Álcool (Bolero Filosófico)"; da trilha original do filme "Tatuagem” (DJ Dolores); “O Beco”, gravada por Ney nos final dos anos 80 (Herbert Vianna/Bi Ribeiro); e "Mulher Barriguda", do primeiro álbum dos Secos e Molhados, de 1973 (Solano Trindade/João Ricardo), são algumas das músicas escolhidas por Ney. 

Duas canções foram pinçadas do compacto duplo Ney Matogrosso e Fagner, lançado em 1975: “Postal do Amor”(Fagner/Fausto Nilo/Ricardo Bezerra) e "Ponta do Lápis” (Clodô/Rodger Rogerio). Outros dois clássicos que Ney nunca havia cantado, “Como 2 e 2” (Caetano Veloso) e “Feira Moderna”( Beto Guedes/Lô Borges/Fernando Brant), também estão no roteiro. 

O figurino, sempre aguardado com expectativa em se tratando de um show de Ney Matogrosso, foi criado sob medida pelo estilista Lino Villaventura. Luiz Stein assina o cenário, composto por projeções, e Juarez Farinon a luz do espetáculo, com supervisão de Ney. 

A banda afiada é a mesma que o acompanhou nos últimos 5 anos, reunindo Sacha Amback (direção musical e teclado), Marcos Suzano e Felipe Roseno (percussão), Dunga (baixo), Mauricio Negão (guitarra), Aquiles Moraes(trompete) e Everson Moraes (trombone). 

Serviço: 

Quem: Ney Matogrosso 

Onde: AM Master Hall, em Criciúma 

Quando: 10 de junho, às 21h30 

Ingressos: informações em breve. 

Colaboração: Traquejo Comunicação e Conteúdo 

Leia mais sobre: