InternetData CenterAssinante

Entrega de equipamento de radioterapia no HNSC vai alterar trânsito no Centro de Tubarão

Acelerador linear será instalado na nova Unidade de Radioterapia do hospital
Entrega de equipamento de radioterapia no HNSC vai alterar trânsito no Centro de Tubarão
Foto: Divulgação/HNSC
Por Redação Engeplus Em 30/09/2020 às 14:06

Na próxima sexta-feira, dia 2, o Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), de Tubarão, recebe receberá um acelerador linear do Plano de Expansão da Radioterapia do SUS, doado pelo Ministério da Saúde. O equipamento, de grande porte, será instalado na nova Unidade de Radioterapia do hospital, um projeto do HNSC para complementar os anseios da comunidade da região no tratamento oncológico. A entrega do acelerador linear alterará o trânsito no centro da cidade.

O equipamento será descarregado pela rua Vidal Ramos. Por isso ela ficará com o trecho interditado entre a esquina com a rua Pe. Bernardo Freuser até o portão de entrada do Colégio São José das 07h30 às 18h.  Apenas ficará liberada para fluxo de pedestres e ambulâncias para chegada na emergência.

A obra da nova Unidade de Radioterapia tinha sido paralisada em virtude da pandemia em março e recomeçou em setembro. “Já estamos com mais de 90% do projeto concluído. Falta apenas acabamentos internos e externos e ligar a energia para fazer o comissionamento dos equipamentos”, explica o coordenador de manutenção, Izaque Antunes da Coregio.

A Unidade de Radioterapia, que está localizada em um terreno em frente ao Hospital, irá impactar no atual atendimento do setor. “Hoje muito moradores que estão em tratamento no HNSC e necessitam de radioterapia acabam tendo que se deslocar para outras regiões, causando um desgaste físico e emocional. Com este serviço integrado avançamos na oferta e no atendimento aos pacientes oncológicos, fortalecendo nossa Instituição que já é referência no setor oncológico”, ressalta o diretor executivo Fábio Tadeo Teixeira.

O HNSC tem aproximadamente 900 pacientes/mês que fazem tratamento oncológico na instituição, sendo que 20% destes necessitam de radioterapia. “E ainda temos que levar em consideração outros pacientes que fazem tratamento fora da nossa instituição e que poderão se beneficiar com o serviço”, poderá Teixeira.