InternetData CenterAssinante

Em pouco mais de dois meses, 18 pinguins são resgatados vivos em Santa Catarina

Foram 88 ocorrências registradas no litoral Sul
Em pouco mais de dois meses, 18 pinguins são resgatados vivos em Santa Catarina
Foto: Divulgação/Udesc
Por Jessica Rosso Em 20/06/2020 às 15:48

A equipe de monitoramento da Udesc já registrou um total de 88 ocorrências envolvendo pinguins, desde o dia 1º de maio em Santa Catarina. Foram resgatados 18 pinguins vivos e realizadas 30 necropsias.

"Todos os anos os pinguins sobem desde a patagônia argentina até o litoral Sul. Nesta longa viagem acontecem muitas adversidades que os pinguins precisam superar. Por isso, muitos chegam debilitados. Alguns não resistem e morrem, principalmente os juvenis. Vale destacar que uma das maiores adversidades, além das climáticas, são as redes de pesca industrial e artesanal. Muitos destes pinguins chegam com lesões produzidas por petrechos de pesca", destacou a equipe da Udesc.

O quadro mais comum apresentado pelos pinguins é a chamada 'síndrome do pinguim encalhado'. Segundo a médica veterinária Nicole Nigro, a síndrome consiste num estado de debilidade geral causado por intensa desidratação, desnutrição e hipotermia. Nos casos mais graves eles também podem chegar com hipoglicemia.

O tratamento é de suporte, com o objetivo de reestabelecer a hidratação, a temperatura e a condição corporal dos animais. Para isso os pinguins são mantidos em ambiente climatizados e são aquecidos com bolsas de água quente. “Eles também recebem fluido, terapia parenteral aquecida e alimentação com papa de peixe via sonda. Antibióticos e antifúngicos também são utilizados para o tratamento de afecções respiratórias, outro quadro bastante frequente nestes animais”, afirmou Nicole Nigro.

Conforme a evolução do tratamento os animais passam a receber peixes (sardinha) e são liberados para tomar banhos. Durante todo o tratamento os animais recebem suporte hídrico, vitamínico e mineral. Estes animais também podem apresentar sinais de afogamento, agravando ainda mais o quadro clínico de entrada. Quando essas lesões são identificadas, o tratamento inclui a reversão do quadro de afogamento e cuidados especiais com as lesões apresentadas.

Se você encontrar um deles nas praias, deve deixá-lo tranquilo. A melhor maneira de ajudar é ligar para: 0800 642 3341 e alguém da equipe de resgate irá ao encontro. 

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos. Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos. O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. A Udesc monitora o Trecho 1 compreendido entre Laguna e Imbituba, e recebe animais para reabilitação e necropsia do Trecho 2, compreendido entre Imbituba e Governador Celso Ramos.

Colaboração: Santiago Anguita