InternetData CenterAssinante

Dois meses de coronavírus em Santa Catarina: como Criciúma tem agido no combate?

Centros de Triagem, hospital de retaguarda, higienização foram ações criadas
Dois meses de coronavírus em Santa Catarina: como Criciúma tem agido no combate?
Foto: Thiago Hockmüller/Arquivo Engeplus/
Por Rafaela Custódio Em 17/05/2020 às 16:02

Na próxima terça-feira, dia 19 de maio, fará dois meses que o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, assinou um decreto e iniciou o isolamento social em território catarinense visando o combate ao coronavírus. Oito semanas se passaram e de lá para cá 4.678 pacientes testaram positivo para Covid-19 no estado. Destes, 2.651 já se recuperaram, o que representa 56,6% do total. Há ainda 1.946 pacientes em acompanhamento. Desde o início da pandemia, 81 óbitos foram causados pelo coronavírus, dados que colocam a taxa de letalidade em 1,73%. 

Em Criciúma, as ações em relação à Covid-19 iniciaram ainda em janeiro, segundo a Prefeitura, mas a primeira reunião com autoridades de saúde e locais aconteceu na sexta-feira, dia 13 de março, no Paço Municipal Marcos Rovaris. Desde então, o governo municipal iniciou uma força-tarefa para combater o novo vírus na cidade.  

A primeira ação da Prefeitura foi antecipar a inauguração da Unidade Básica de Saúde (UBS) da área central que está localizada na rua João Pessoa. No antigo local, por oferecer uma estrutura adequada, foi montado o primeiro Centro de Triagem do município (ao lado do Hospital São José) e iniciou as operações no dia 19 de março. Dias depois, o governo municipal inaugurou o segundo Centro de Triagem, localizado no bairro Boa Vista. 

Enquanto as autoridades tomavam as ações necessárias para combater o coronavírus, as famílias de Criciúma respeitaram o isolamento social e o Centro da cidade não recebeu praticamente ninguém durante dias. Pelo município, estavam abertos apenas estabelecimentos como farmácias, supermercados e postos de combustivel.

Os lugares mais vivos de Criciúma, como os Parques das Nações, Imigrantes e Altair Guidi, terminais de ônibus, shoppings e a Avenida Centenário não estavam mais tão cheios, não. O Estádio Heriberto Hülse? Não recebeu mais seus torcedores cantando, vibrando e até mesmo se emocionando com um gol. As pessoas ficaram em casa e tudo começou a mudar também no Governo Municipal.

Nas primeiras semanas de isolamento social, os catarinenses questionaram se havia necessidade. Mas quase dois meses depois, o resultado em Criciúma é evidente, de acordo com o secretário de Saúde de Criciúma, Acélio Casagrande. “Nós temos segurança do que estamos fazendo. Estamos com as ações sob controle, sim, mas tranquilos, não. Enquanto tivermos pacientes com coronavírus, não estaremos tranquilos. É uma pessoa, é uma família. Não vamos baixar a guarda em momento nenhum. Entretanto o isolamento social lá no começo fez com que conseguissemos agir com mais segurança”, garante. O secretário de Saúde comenta que os dois Centros de Triagem fizeram com que o pronto-socorro do Hospital São José (HSJ) não recebesse tantos pacientes e o local não fosse contaminado pelo novo vírus. 

Mas, afinal, o que foi feito em Criciúma e quais são os resultados? 

A Prefeitura de Criciúma iniciou ainda em março o processo de desinfestação e higienização de lugares públicos que recebem grande fluxo de pessoas. O material usado, conforme a Defesa Civil, é chamado de quartenário de amônia. A higienização aconteceu em ruas na área central, Centro de Triagem ao lado do Hospital São José (HSJ) e Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Próspera.

Unidade de Terapia Intensiva

O Hospital São José em Criciúma contava com cerca de 30 leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), porém a Capital do Carvão recebeu ao longo da pandemia mais 15 leitos, totalizando 45. Além disso, o Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC) possui mais 17 leitos e todos são pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Segundo Casagrande, a direção do Hospital São José ainda possui um local reserva para receber mais 40 respiradores e aguarda os equipamentos do governo estadual. 

Casa de Passagem

O Governo Municipal intensificou também os trabalhos para atender aqueles que necessitam das políticas públicas de assistência social. A Secretaria da Assistência Social e Habitação de Criciúma está em regime de plantão. As demandas estão sendo cumpridas pelo telefone (48) 3431-0389. A população em situação de vulnerabilidade social que necessita de serviços emergenciais poderá ligar de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.

A população que se encontra em situação de rua deve recorrer à Casa de Passagem para se proteger do novo coronavírus. Localizada na rua Giácomo Sônego Neto, 415, no bairro Pinheirinho, a casa dispõe de refeições, dormitórios, higiene pessoal, dentre outros serviços que são prestados 24 horas por dia.

Além da Casa de Passagem, o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) também é uma alternativa para se proteger do novo coronavírus (Covid-19). Localizado na Rua Martinho Lutero, 179-325, o local dispõe de alimentação e higienização. Os serviços em benefício dos que se encontram em situação de rua são prestados de segunda a sexta-feira, das 8 às 14 horas.

Equipe Multi-Institucional​ ao lado da Prefeitura 

Ainda em março, a equipe Multi-Institucional passou a fazer parte do comboio que tem trabalhado no combate ao coronavírus, com o apoio de cinco instituições. Polícia Militar (PM), Cruz Vermelha, Corpo de Bombeiros Militar (CBM), Diretoria de Trânsito e Transporte (DTT) e agentes de trânsito foram distribuídos nas ações. 

Pessoas de vulnerabilidade social também estão sendo atendidas 

A Secretaria de Assistência Social e Habitação de Criciúma, em parceria com a Equipe Multi-Institucional, já realizou a entrega de 3,7 mil cestas básicas para famílias em vulnerabilidade social nesta época de pandemia do novo coronavírus. Todas as solicitações que foram feitas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) estão sendo encaminhadas para a Equipe Multi-Institucional. 

Após a parceria com a Equipe Multi-Institucional, a Prefeitura uniu forças e cruzou os dados para que todas as pessoas conseguissem ser atendidas de forma correta. A Prefeitura de Criciúma deverá receber R$ 102 mil do Governo de Santa Catarina, por meio do Cofinanciamento Estadual, para a compra de cestas básicas. “O dinheiro deve chegar nos próximos dias e poderemos ajudar mais famílias de Criciúma”, ressalta a secretária municipal da Assistência Social e Habitação de Criciúma, Patricia Vedana Marques. 

Comitê de Gerenciamento dos Gastos Públicos é criado em Criciúma

O município de Criciúma criou um Comitê de Gerenciamento dos Gastos Públicos em ações preventivas e de combate à Covid-19. A equipe será responsável por acompanhar a aplicação dos valores recebidos por meio de transferências, emendas parlamentares ou de qualquer outro modo, para ações relacionadas ao Coronavírus.

Presidido pelo vice-prefeito de Criciúma, Ricardo Fabris, o comitê é formado por profissionais da Secretaria da Fazenda, além do responsável pela pasta, Celito Cardoso, a secretária de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, Kátia Smielevski, o secretário de Saúde de Criciúma, Acélio Casagrande, o secretário Geral, Vagner Espindola Rodrigues, dois vereadores do município e um membro do Observatório Social. 

Prefeitura lança pacote de ações para reativar o comércio local

A Prefeitura lançou ainda em abril, quando o comércio estava fechado, o programa Supera Criciúma. A ferramenta é um pacote de ações para movimentar a economia local e também estimular a orientação sobre programas de socorro promovidos pelos governos municipal, estadual e federal.

Dentro do pacote Supera Criciúma, estão quatro ferramentas disponibilizadas: a) Compre Digital do Comércio Local; b) parceria com o Sebrae para capacitar empreendedores diante do desafio da retomada econômica; c) Rede de Mentores Voluntários; e d) SOS Empreendedor. 

Produção de máscaras no Centro Cultural Jorge Zanatta

Recentemente, a Prefeitura de Criciúma começou a produzir máscaras de proteção artificial na confecção instalada no Centro Cultural Jorge Zanatta, no Centro. Produzidas por profissionais da Fundação Cultural de Criciúma (FCC), da Fundação Municipal de Esportes (FME) de Criciúma e da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc), as peças serão entregues aos colaboradores que atuam em setores da Administração Municipal com o objetivo de fortalecer as ações para evitar a transmissão do novo coronavírus.

Pesquisa científica e realização de testes rápidos 

A Prefeitura de Criciúma, em parceria com a Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), iniciou no mês de abril a primeira etapa da pesquisa científica sobre Covid-19 na cidade e atualmente está sendo realizada a terceira fase. Os testes rápidos foram aplicados nos bairros Centro, Próspera, Pinheirinho, Quarta Linha, Rio Maina e Santa Luzia.

A pesquisa científica já está verificando relações entre variáveis demográficas e positividade para a doença, analisando o perfil epidemiológico dos moradores estudados e identificando associação entre os testes aplicados e comorbidades e morbidades. A iniciativa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Unesc, reconhecido pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), ligada ao Conselho Nacional de Saúde (CNS), do Ministério da Saúde.

“Com a pesquisa científica, não trabalhamos no escuro. Sabemos qual a população infectada e defendo isso desde o início do ano. O Brasil tem que se preocupar em testar a população. Temos que trabalhar com indicadores e estamos fazendo isso semanalmente. Estamos avaliando os números se isso nos mostra por qual caminho devemos seguir”, comenta o secretário de Saúde de Criciúma, Acélio Casagrande

Contratação de médicos 

Visando a necessidade de profissionais médicos e também decorrente da situação da pandemia pela Covid-19, a Prefeitura de Criciúma contratou 11 médicos para Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do município. 

Central telefônica              

Uma central telefônica também foi disponibilizada pela Secretaria Municipal de Saúde para repassar orientações sobre o novo coronavírus aos criciumenses. As pessoas que apresentarem sintomas da doença podem entrar em contato pelo telefone (48) 3431-0431. Os atendimentos estão sendo realizados entre segunda e sexta-feira, das 7h às 22h. Depois deste horário e nos fins de semana, o atendimento é realizado nos telefones (48) 3444-7176, (48) 3444-7177 e (48) 3444-7178.

Alunos da rede municipal de Criciúma iniciam aulas remotas 

A Secretaria de Educação de Criciúma lançou no dia 4 de maio atividades obrigatórias no formato online para os estudantes da rede municipal de ensino. As lições serão repassadas pelo Portal Educacional. Atualmente, a Capital do Carvão conta com cerca de 20,4 mil alunos divididos em 67 escolas. 

A Prefeitura de Criciúma realizou uma pesquisa com 12 mil pais e responsáveis dos alunos e 8 mil pessoas responderam aos questionamentos. Nem todos possuem internet em casa, logo, quem não tiver acesso ao Portal Educacional receberá os exercícios de forma impressa e os alunos terão um tempo determinado pelos professores para realizarem as atividades. 

Centro de Tratamento Coronavírus 

As obras do Centro de Tratamento Coronavírus, no distrito de Rio Maina, em Criciúma, estão sendo finalizadas. Ao todo, serão cerca de dois meses de trabalho no espaço da antiga Casa de Saúde, que teve reforma iniciada em 28 de março e deverá estar completamente finalizado para atender pacientes em recuperação da Covid-19, em caso de necessidade. O local contará com 172 leitos, com ambientes climatizados e totalmente reformados. 

Comdecon autoriza destinação de até R$ 1,2 milhão

O Conselho Municipal de Defesa do Consumidor e da Cidadania (Comdecon) de Criciúma autorizou a destinação de até R$ 1,2 milhão, oriundo do Fundo Municipal de Defesa dos Direitos Difusos (FMDD), à Administração Municipal para o combate ao coronavírus. 

A Prefeitura de Criciúma ainda recebeu R$ 7.859.716,59 do governo federal. O dinheiro foi repassado ao Estado que encaminhou ao município.

E os números da Covid-19 em Criciúma?

A Prefeitura divulgou na tarde deste sábado, dia 16, novo boletim epidemiológico que aponta que a cidade chegou a 289 casos de coronavírus, sendo que 130 pessoas já se recuperaram da doença. A Capital do Carvão ainda registrou cinco óbitos de residentes da cidade. 

De acordo com o novo boletim, os hospitais de Criciúma possuem quatro pessoas internadas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), sendo que três estão confirmadas com coronavírus e um aguarda o resultado do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Além disso, oito pessoas estão internadas em clínicas, sendo que seis são suspeitos e dois estão confirmados com a Covid-19. 

Os próximos dias, como serão? 

O secretário de Saúde de Criciúma, Acélio Casagrande garante que a intenção do município é continuar com as ações de prevenção e atualmente a situação está controlada pelo município, porém tudo ficará bem quando o número de casos estar zerado. “Queria dizer a população que nós estamos a todo o momento atentos às movimentações que existem. As pessoas precisam ter comida na geladeira, seus salários, sabemos disso, e passo a passo o prefeito Salvaro tem tido a consciência sobre isso para ninguém morrer desnutrida. Estamos acompanhando as duas situações com muita ênfase, estamos vendo a economia e também com muita força a saúde das pessoas. Em nenhum momento deixamos de trabalhar”, pontua. 

Casagrande volta a destacar a prevenção no combate ao coronavírus. “Sempre disse que a saúde pública tem que ser trabalhada por meio da prevenção e isso devemos continuar fazendo. Estamos trabalhando também visando a economia do município. O prefeito Clésio Salvaro está empenhado nesta situação e sabemos de todas as necessidades dos cidadãos e vamos continuar ajudando”, declara. “Temos que agradecer a todos os trabalhadores da saúde que estão atuando na Covid-19, todos, independente de função”, finaliza.