InternetData CenterAssinante

Criciúma: secretário de saúde afirma que julho pode ser o pior mês para contágio da Covid-19

A cidade chegou a 719 casos de coronavírus e 566 já estão recuperados
Criciúma: secretário de saúde afirma que julho pode ser o pior mês para contágio da Covid-19
Foto: Thiago Hockmüller/Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 02/07/2020 às 10:55

O inverno iniciou no dia 20 de junho, mas só na primeira semana de julho que o frio realmente chegou ao Sul de Santa Catarina. As baixas temperaturas estão preocupando a Secretaria de Saúde de Criciúma, já que é nesta estação do ano que as doenças respiratórias são mais comuns. Os números do coronavírus na Capital do Carvão aumentaram nas últimas semanas e isso faz com que o município esteja em alerta, segundo o secretário de saúde, Acélio Casagrande

“Chegamos a uma situação difícil em relação a ocupação hospitalar na última semana. Mas melhorou nos últimos dias em relação aos leitos, porém os Centros de Triagem estão sendo bem procurados”, garantiu Casagrande. “O Comércio e o transporte público ainda não nos afetaram em relação aos números da Covid-19. O número não oscilou por conta da reabertura do comércio ou dos ônibus, estamos acompanhando neste sentido”, acrescentou. 

O prefeito Clésio Salvaro, anunciou na semana passada que o uso de máscara para quem sair nas ruas de Criciúma passou a ser obrigatório. A medida está destacada no decreto nº 815/20. O secretário ressaltou a importância dos cuidados em relação ao coronavírus. “Percebemos um uso muito grande na cidade de máscaras e álcool em gel e teremos resultados positivos com isso”, analisou. 

Criciúma já registrou 12 mortes (residentes da cidade) em virtude da Covid-19, mas Casagrande afirma que os números de casos estão estabilizados. “No quesito pacientes positivos, estabilizamos os números. Itajaí, por exemplo, tem 37 óbitos, conseguimos melhorar os indicadores, ocupação de leitos de UTI, mas dá para melhorar ainda o isolamento social. Essas medidas que tomamos na última semana é que vamos sentir e acompanhar se vamos restringir mais. Vamos ter que conviver com o vírus em 2020, e se vamos conviver com o vírus, temos que trabalhar a parte sanitária”, comentou. 

Casagrande demonstrou preocupação com outras doenças. “O estado liberou algumas cirurgias eletivas, mas pelos leitos de UTI, fechou novamente. Mas consultas com especialistas estamos fazendo”, relatou. 

Centro de Tratamento Coronavírus

A antiga Casa de Saúde do Rio Maina se transformou no Centro de Tratamento Coronavírus. O espaço, com mais de três mil metros quadrados, tem capacidade para mais de 170 leitos com ambientes também de apoio, posto de enfermagem, depósito, entre outros. O investimento foi de R$ 1,7 milhão, porém o local está fechado. “Se precisar, está pronto. O local servirá como uma unidade semi-intensiva. Só não temos os respiradores, mas podemos colocar no local”, enfatizou o secretário.  

Pico da doença?  

O gestor da pasta de saúde afirmou que Criciúma está trabalhando diariamente com o pico do novo coronavírus. “Trabalhamos a todo momento com o pico, vamos conviver com o vírus este ano e mais as doenças respiratórias, mas teremos altas e baixas. Dias com mais e com menos. Esperamos que julho seja o pior mês e que agosto comece a melhorar”, finaliza.