InternetData CenterAssinante

Conheça as mudanças nos passeios para avistar baleias francas

Em setembro foram retomadas atividades como trilhas, cavalgadas e passeios guiados
Conheça as mudanças nos passeios para avistar baleias francas
Foto: Assessoria de Imprensa Rota da Baleia Franca
Por Redação Em 11/09/2020 às 21:33

A pandemia entrou em seu ápice no Brasil quando começava a temporada de observação de baleias franca no litoral sul de Santa Catarina. Justamente no período em que o grupo de empresários do trade turístico que comandam a Rota da Baleia Franca veem se organizando para movimentar a baixa temporada na região e desenvolver um roteiro turístico de inverno.

Agências receptivas de turismo, guias e condutores ambientais ficaram parados sem receber visitantes por quase cinco meses. Somente no mês de agosto alguns voltaram a trabalhar e outros agora em setembro, considerado o auge da temporada de observação de baleias franca.

“Retornamos as atividades em setembro como trilhas, cavalgadas e passeios guiados. Antes disso estávamos operando somente atividades como os esportes radicais, paraquedismo, parapente, rapel e wakeboard, que estavam permitidos em Santa Catarina. Foi opção nossa e dos nossos parceiros, nos resguardar mais um pouco, para iniciar essas outras atividades somente em setembro”, explica a proprietária da Agência de Turismo Amo Garopaba, Caroline Santos.

Antes da retomada gradual das atividades turísticas e de forma responsável, atendendo todas às recomendações sanitárias, foi elaborado um Manual de Boas Práticas da Rota da Baleia Franca, com o objetivo de nortear as normas necessárias para a realização dos passeios na região durante a pandemia.

Turistas podem fazer os passeios em busca de baleias nos seus próprios veículos

Um dos passeios mais procurados pelos turistas nessa época, é o roteiro guiado em busca de baleias nas praias da região. Sempre era feito no veículo da agência ou do próprio guia de turismo. Um roteiro que inclui passar pelas principais praias em busca das baleias e seus filhotes.

Com as novas exigências de distanciamento social e a retomada gradual das atividades, as agências de turismo precisaram se adaptar e inovar, em busca de segurança.

“Estamos nos adaptando nos passeios guiados. Sempre oferecíamos para o visitante um passeio com carro e guia incluso, e agora, estamos dando opções de fazer apenas a contratação do guia para ir no carro do cliente, ou até mesmo, os clientes irem seguindo o guia com o carro da agência. Sempre com o uso de máscara em todas as atividades, álcool em gel dentro do veículo, máscaras extras para quem não estiver utilizando”, afirma Santos.

O mesmo está sendo feito pela agência Ao Sul Natural, de Imbituba, no roteiro Safári Baleia, que dura entorno de sete a oito horas. “Os turistas que estou recebendo nas últimas semanas estão cientes dos cuidados e seguindo as recomendações necessárias, com uso de máscara em todo passeio, com os cuidados e distanciamento necessários”, relatou o proprietário, Felipe Uzascki.

A Rota da Baleia Franca tem suas vantagens por ser um destino de ecoturismo, onde a maioria dos passeios são realizados em espaços abertos, com possibilidade de distanciamento social.

“Trilhas, passeios guiados, cavalgadas, por exemplo, estamos organizando saídas sempre com o mesmo grupo de família ou amigos. Não estamos misturando pessoas distintas, mesmo que tenha espaço dentro do carro, ou mesmo em trilha”, complementa a responsável pela Amo Garopaba.

Essas adaptações ao 'novo normal' ainda serão necessárias enquanto o distanciamento social for regra em tempos de pandemia. Mudar foi necessário e urgente para sobreviver neste setor tão afetado pelo novo Coronavírus. Seguindo as regras, é possível fazer turismo de forma responsável e com segurança.

Todos fazendo sua parte com responsabilidade, inclusive o turista. “Medimos a temperatura antes de cada passeio, e caso o cliente esteja com algum sintoma, gripe comum, ou temperatura elevada, o passeio é cancelado. Antes do passeio, ele já está ciente disso, preenchendo e assinando termo de responsabilidade. Então, caso no dia da atividade ele apresente os sintomas, ficamos no direito de não atender”, finaliza Caroline.

Colaboração: Assessoria de Imprensa Rota da Baleia Franca

Leia mais sobre: